Política

Defensores públicos do estado podem ter aumento salarial de 115%, prevê projeto de lei

PL já foi aprovado na Alesc e aguarda sanção do governador de SC.

Defensoria Pública

Foto: Reprodução / RBS TV

Os defensores públicos do estado podem ter aumento salarial de 115%. O projeto de lei que prevê o reajuste salarial já foi aprovado na Assembleia Legislativa de Santa Catarina – Alesc e aguarda a sanção do governador Raimundo Colombo.

O reajuste foi solicitado pela própria Defensoria Pública, através de um projeto de lei enviado em fevereiro deste ano à Alesc. De acordo com o texto, o salário que hoje tem um teto de R$ 10,5 mil já subiria para R$ 18.834,36 em agosto de 2017. Em 2019, chegaria a R$ 22.601,22.

A assessoria da Casa Civil disse que o projeto vai passar por análises orçamentária por parte da Secretaria da Fazenda e jurídica, pela Procuradoria Geral do Estado – PGE. O projeto deve ser analisado também pela Secretaria de Administração.

O valor do pagamento sairia de um fundo próprio destinado à Defensoria Pública, através do duodécimo do estado, que é composto por parte do que Santa Catarina arrecada com impostos. Além dos salários, os defensores ganham também benefícios mensais, como vale alimentação e indenização por uso de carro próprio, que acrescentam cerca de R$ 5.283,45.

Órgão diz ter menor piso do país

O projeto de lei até chegou a receber um texto substitutivo, sugerindo que o aumento fosse de 50%, mas a alteração não foi aceita e o projeto acabou aprovado na Alesc na íntegra, por unanimidade.

A categoria defende o reajuste dizendo que atualmente os defensores de Santa Catarina tem o menor piso no país. O estado vizinho, Rio Grande do Sul, paga pouco mais de R$ 30 mil a um defensor público, e o Paraná quase R$ 20,5 mil.

“A gente não deve focar na percentagem, que sim é muito significativo ainda mais em período de crise, estamos reparando um erro histórico, um erro que começou ainda na construção do primeiro edital”, argumenta o defensor público geral, Ralf Zimmer Júnior.

Poucos profissionais

De acordo com a própria Defensoria Pública, a defasagem atual no número de profissionais chega a quase 50%, o que impede que muitos defensores venham para o estado. Das 120 vagas existes, hoje tem apenas 99 defensores atuando.

“A Defensoria Pública, com o aumento de salário, seria possível atingir uma meta bem desafiadora. É que até 2022 todas as 111 comarcas catarinenses precisam ter a presença de defensores públicos. Hoje apenas 24 são atendidos pela instituição”, conclui o defensor.

Com informações do site G1 SC

Notícias Relacionadas

Economia da Câmara de Vereadores de Orleans será transferida para a FHSO

Deputados de SC aprovam extinção da Cohab e Codesc

Servidores das duas estatais serão demitidos. Grupo protestou no plenário.

Vereadores de Orleans aprovam contratação para quatro vagas temporárias para médicos

Mostra da Apae de Orleans utiliza fotografia como instrumento de inclusão na Alesc