Geral

“Estão roubando o nosso agricultor”, diz presidente Vitorassi que luta contra o aumento da conta de energia do produtor rural

O presidente busca apoio de lideranças para revogar a nova taxação no ICMS que torna a conta de luz cerca de 5% mais cara a partir deste mês

Divulgação/Coorsel

O momento é preocupante para os trabalhadores rurais que enfrentam grandes problemas. Além das consequências da pandemia de coronavírus, o homem do campo sofre com a estiagem dos últimos dias que afeta as lavouras e causa prejuízos. Para piorar o quadro, o governo do Estado reajustou a cobrança do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) das propriedades rurais de Santa Catarina e autarquias.

A portaria 344/19-SC determina que a partir deste mês de abril, as distribuidoras de energia devem repassar ao Estado o valor do ICMS cobrado pela tarifa cheia, o que ocasionará um aumento de cerca de 5% no valor da fatura das cooperativas de eletrificação rural.

Preocupado com essa situação o presidente da Cooperativa de Eletrificação Rural – Coorsel, Ivanir Vitorassi, que também é presidente da Fecoerusc (Federação das Cooperativas de Energia e Desenvolvimento Rural de Santa Catarina), se posiciona contra o reajuste e luta em busca de apoio de lideranças para revogar a portaria.

Uma carta também foi enviada à Secretaria de Agricultura do Estado. “No apagar das luzes, em 2019, o governo mudou a base de cálculo do ICMS do nosso produtor de rural para urbana, o que vai tornar a fatura muito mais cara. Estamos lutando com muita veemência para que esse decreto seja revogado. O agricultor não mora na cidade, mora no campo. Neste momento estão roubando o nosso agricultor”, afirma Vitorassi que representa a federação que responde por 21 cooperativas de eletrificação rural. O novo valor será repassado na conta de abril.

O que muda?

Atualmente, as famílias do campo pagam 45 centavos por quilowatt-hora (kw/h), tarifa menor do que na cidade (59 centavos por kw/h), praticados pela Coorsel. Mas, a partir de agora, o Governo do Estado quer mudar o sistema de cobrança de ICMS da fatura, que não terá mais como base a tarifa rural, mas sim, a urbana, o que resultará em aumento na conta.

Considerando os valores da Coorsel, uma propriedade que consome 1000 kw/h por mês pagaria hoje uma fatura de R$ 555,82. Destes, R$ 105,71 seriam impostos ao Estado. Já no novo modelo, a fatura passaria para R$ 589,20, resultando em um aumento de 6,01% nas contas do trabalhador rural. São mais de R$ 33 reais que saem do bolso do produtor neste exemplo.

Deputado Ulisses Gabriel envia ofício ao Governo

“Aumentar imposto de famílias do campo, principalmente neste período de crise, é inadmissível. Vai na contramão de qualquer país e Estado. O governo precisa voltar atrás e acabar com esse equívoco”, destaca o deputado estadual Ulisses Gabriel. Ele enviou um ofício ao Governo do Estado solicitando a revogação da portaria que reajusta o imposto para o segmento. “É insensato elevar a carga tributária sobre energia da pessoa tida como ‘beneficiária de subvenção’”, complementa.

Notícias Relacionadas

Nova taxação no ICMS através do Estado aumenta conta de energia do produtor rural

Agricultores catarinenses vão pagar mais caro a conta de energia elétrica a partir de abril. O alerta é do deputado estadual Ulisses Gabriel (PSD), que solicitou ao governo do Estado a revogação de portaria que reajusta o imposto para o segmento.

Administração Municipal de Orleans envia projeto de aumento aos servidores para votação na Câmara

Proposta do executivo é de aumento de 5,07% e mais 20% no vale-alimentação

Retomada da economia: Estado registra aumento na arrecadação de julho

Entre os meses de março e junho, o Estado teve impacto negativo de 11,3% ao que era esperado para o período.

Estudo liga covid-19 a aumento de diabetes tipo 1 em crianças

Trabalho foi feito por pesquisadores do Imperial College, de Londres