O Pensar Político – Conexão Capital

A fatura do PT

Foto: Divulgação

O Partido dos Trabalhadores (PT) vive um momento difícil em Santa Catarina. A região de maior musculatura do PT é o Oeste Catarinense, a mesma região em que lideranças se cotovelam em busca de espaço e votos. Algo semelhante com o que acontece com as lideranças do Partido Progressista no Sul do estado.

Entre os dirigentes do PT paira a preocupação com o encolhimento da legenda e a redução da representatividade em 2018, algo semelhante como aconteceu nas eleições de 2016.

Porém, se no desmonte da moralidade pública e nos escândalos de corrupção estão envolvidos PT, PMDB, PR e PP porque somente o PT convive com o risco do “encolhimento”?

Enquanto o PMDB faz festa ao assumir o Governo do Estado é no mínimo intrigante que somente o PT tenha que dar justificativas para a sociedade e conviver com a sombra da perda de espaço.

PP sai do governo
O ex-secretário da Assistência Social, Trabalho e Habitação, deputado Valmir Comin (PP), deixou o prédio da Secretaria de Estado pela “porta da frente”. A mensagem foi clara: “Estamos com todos, menos com o PMDB”.

Missão Comin
O deputado Valmir Comin (PP) teve a missão de aproximar PP, PSD e PSB para um projeto em comum. Arestas foram aparadas e dificuldades superadas cabem agora definições concretas.

Corpo Mole
“Corpo Mole” foi à expressão que definiu a atitude do governador Raimundo Colombo (PSD) durante a saída do PP do governo. Progressistas que já vinham declarando o primeiro voto ao senado para Raimundo Colombo estão revendo as prioridades.

Conexão Capital
Uma nova chapa circula nos bastidores: Paulo Bauer (PSDB) governador, Gelson Merisio (PSD) vice, Esperidião Amin (PP) senado, Raimundo Colombo (PSD) senado.

Notícias Relacionadas

Metalizado rosa é tendência para o Inverno

A estilista e colunista Anne Veran trás também o look do dia, estampa do momento, além de notícias do mundo da moda.

Inspirações para o ano novo

Bauer, Amin e Kleinübing

O poder da mídia

A professora e colunista Ana Maria Dalsasso avalia a relação da mídia atual com a divulgação de informações sobre o novo tipo de gripe, o H3N2, à população.