Geral

A procura dos pais pelo filho em Criciúma

Jovem de 19 anos saiu de casa há mais de um ano e, desde então, a família não teve notícias do seu paradeiro.

Foto: Divulgação

A batalha da costureira Matilde de Almeida e do marido Valtair Jaime Alano já tem mais de um ano desde quando o filho Emerson de Almeida Alano deixou um bilhete e saiu de casa. No dia 29 de dezembro de 2017, Emerson deixou o seguinte bilhete “Mãe to saindo de casa. Mas não se preocupa vou estar bem, obrigado por ter cuidado de mim. Não me procura. Te amo. Deixei meu cartão, pega meu dinheiro e paga pra mim. O que sobrar é da senhora”.

Ao ler o bilhete logo pela manhã do dia 29 de dezembro de 2017, a família começou uma árdua luta na busca por pista do jovem. Neste primeiro dia, dona Matilde andou por todo bairro e visitou a casa dos amigos de Emerson, mas não descobriu nenhuma pista do seu paradeiro. Emerson sempre morou com a família no bairro Imigrante, em Criciúma, e tinha uma vida tranquila.

Foto: Divulgação

No mesmo dia, a mãe registrou um boletim de ocorrência na Central de Polícia, no bairro São Luiz, mas procurou também realizar uma busca por conta própria e evitou colocar foto do filho na Internet com medo de ele não gostar e sumir em definitivo. Ela tinha esperança que o filho fosse voltar.

“Desesperei-me quando li o bilhete e sai procurando pistas por todos os lugares, mas não consegui nada. Neste mesmo dia, ele entrou em contato por telefone, reafirmando que estava bem, mas que não era para nós nos preocupar”. Segundo a mãe, após a ligação o filho desativou o número e nunca mais conseguiu sinal. Ele também não deixou contar nas mídias sociais. Emerson não movimentou mais a conta bancária, pois até o cartão deixou em casa. “Ele somente levou o Skate e os documentos pessoais”, informa.

Após mais de um ano de procura de forma individual, a família resolveu reforçar o pedido de ajuda para a polícia. Na última sexta-feira, dona Matilde procurou o quartel da Polícia Militar para pedir ajuda e colocar o nome do filho no programa SOS Desaparecidos do site da Polícia Militar. A reportagem procurou o delegado regional Vitor Bianco Júnior que, ao saber dos novos fatos, pediu para a mãe procurar novamente a delegacia de polícia e fazer novo boletim de ocorrência, já que o primeiro realizado teve as investigações arquivadas por presumir que o jovem tinha aparecido, já que a empresa onde ele trabalhava deu baixa no contrato de trabalho, no dia 2 de abril de 2018, e a movimentação foi detectada através do site do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE. Nesta terça-feira, dia 29 de janeiro, a família procurou a Delegacia de Polícia do bairro Próspera e registrou o BO com o delegado Jorge Giraldi.

Dona Matilde tem muita esperança de rever o filho e por isso garante que continuará nas buscas a cada pista que achar. “Meu filho sempre foi muito atencioso e educado e muitas vezes, além do trabalho, auxiliava nos afazeres da casa, Até hoje não entendemos porque ele saiu de casa, já que nada de anormal ocorreu”, explica a mãe. A Polícia Civil ira enviar as informações para Delegacia de Polícia de Pessoas Desaparecidas – DPPD. A mãe avalia que a divulgação da foto de Emerson na Internet poderá fazer com que ele entre em contato com a família.

Colaboração: José Adílio 

Notícias Relacionadas

Polícia Civil apresenta dados positivos na repressão de roubos em Criciúma com prisões realizadas e criminosos identificados

Comparado com 2018, os dados indicam redução de roubos com uso de arma de fogo, roubos em residência e roubos com mais de três autores, com estabilização da quantidade de roubos gerais.

Morador é executado com cinco tiros em Criciúma

Segundo informações, a vítima saiu recentemente do presídio e possui passagens por pedofilia e estupro de vulnerável.

Polícia Civil cumpre mandados contra suspeitos de latrocínio em Sombrio

DIC de Criciúma apreende 1,5 kg de maconha e munição de calibre restrito