Segurança

Abelhas invadem três casas, atacam cachorros e causam pavor em moradores em Morro da Fumaça

Bombeiros foram acionados para fazer o manejo dos insetos na localidade de Estação Cocal, em Morro da Fumaça

Foto: Divulgação/Pixabay/ND

Um enxame de abelhas causou pavor em moradores da localidade de Estação Cocal, em Morro da Fumaça, na tarde de terça-feira (6). O Corpo de Bombeiros foi acionado para fazer o manejo, com apoio de um apicultor chamado por populares.

Quer receber as principais notícias da região? Clique aqui e entre no nosso grupo de WhatsApp e fique atualizado de forma rápida e confiável 

Três casas invadidas pelas abelhas

Segundo a guarnição, moradores da localidade informaram que o enxame de abelhas havia invadido três casas e que cachorros da localidade também foram atacados pelos insetos.

Com o uso de um mangotinho, os bombeiros militares retiraram o exame de abelhas do local. Não houve feridos. A guarnição, ao fim da ocorrência, orientou as famílias sobre os cuidados com os insetos.

Não tente remover o enxame sozinho

Caso você veja um enxame, a principal orientação é que não tente fazer a remoção sozinho. E, também, não jogue nenhum produto sobre os insetos, como álcool, querosene, água, inseticida ou fogo, já que elas podem se defender.

Se mantenha informado em tempo real! Clique aqui e siga o Sul in Foco no Instagram. Informações e notícias sobre a região na palma da sua mão!

Em casos de emergência, acione 193 (Corpo de Bombeiros) ou a Polícia Militar Ambiental.

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Guarda Municipal e Corpo de Bombeiros são acionados para conter enxame de abelha em Tubarão

De acordo com a denúncia, a população estaria recebendo picadas dos insetos.

Jovem é resgatado após 11 horas dentro de mangue em Pescaria Brava

Local era de difícil acesso e com lodo até a cintura.

Quatro pessoas ficam feridas após ataque de abelhas durante pescaria em Siderópolis

Vítimas foram encaminhadas ao atendimento médico

Apiterapia, a picada de abelha que faz bem à saúde

Reconhecida pelo Ministério da Saúde como Terapia Integrativa em 2018, técnica existe há mais de 100 anos e usa produtos das abelhas, sendo o principal deles o veneno