Segurança

Alunas relatam assédio sexual em escola de SC e citam “toques impróprios” e pedido de dança

Professor de 65 anos foi afastado de sala de aula após três casos chegarem ao conhecimento da polícia em São Francisco do Sul

Foto: Guilherme Barbosa/NSC TV

Três famílias foram à polícia após alunas de 11 a 15 anos, de uma escola municipal de São Francisco do Sul, relatarem assédios sexuais que teriam sofrido por parte de um professor de 65 anos. Em um dos casos, o homem teria pedido para que estudantes “dançassem para ele” de portas trancadas, para que “melhorassem as notas”. Adolescentes ainda citam toques no corpo e abraços inconvenientes.

A Polícia Civil confirmou que investiga o caso — em sigilo por causa da idade das meninas. O professor foi afastado de sala de aula e um processo disciplinar contra ele foi aberto na esfera administrativa da Secretaria de Educação.

Nossa reportagem preservou o nome da escola e dos envolvidos para não expor as estudantes, que são menores de idade, como prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Pedro Mira, advogado criminalista, diz que foi procurado por pais das alunas no fim do mês de março, quando orientou que a situação fosse levada para a delegacia. Em uma reunião com os familiares, no dia 25, quatro casos chegaram ao conhecimento de Mira, sendo que três estudantes registraram boletim de ocorrência. A suspeita do advogado é de que o número de vítimas passe de 10.

Os boletins de ocorrência, obtidos com exclusividade pelo A Notícia, relatam que o professor teria passado a mão na barriga de uma das estudantes, teria tocado na coxa de outra “de forma inconveniente” e teria abraçado e constrangido alunas com atitudes em público — como esbarrões em corredores e buzinadas nas ruas. A mãe de uma das meninas descreve até mudança no comportamento da adolescente:

— Minha filha relatou que o professor por duas vezes colocou a mão na cintura dela, passou a mão na barriga. Ela se sentiu constrangida. Ficou sem querer ir para a aula e está muito incomodada com o que estava ocorrendo. Minha filha tem apenas 11 anos e isso não pode acontecer dentro de uma escola.

Outro relato à polícia, de uma menina de 14 anos, descreve que o professor teria pedido para que as estudantes dançassem para ele em sala de aula, caso quisessem “melhorar a nota”. No boletim de ocorrência, a adolescente conta que o professor teria dito que fecharia a porta “para que assim tivessem mais privacidade”.

Uma terceira mulher relatou que, há duas semanas, a filha já vinha reclamando da conduta do professor, como esbarrar nela de propósito. A mãe ainda confirmou que a jovem estava presente na sala de aula quando o professor teria proposto que as meninas dançassem para melhorar a nota.

Em outro momento, quando a menina estava com um dos pés machucados, ela contou que o professor teria se sentado ao seu lado e teria começado a alisar a coxa da estudante “de forma inconveniente”, cita o boletim de ocorrência. O professor, ainda conforme as denúncias, teria agido somente quando meninos não estavam por perto e deixava as garotas desconfortáveis com abraços forçados.

Uma das mães conta que a filha começou a ir de moletom, mesmo em dias de calor, para evitar as importunações. As alunas chegaram a se organizar para fazer uma manifestação dentro do colégio para protestar contra os atos do professor.

Os três casos registrados no boletim de ocorrência aconteceram em março, conforme consta nos documentos. A reportagem tentou sete vezes contato com a Polícia Civil para entender como está a investigação, mas não obteve retorno. Os boletins tratam dois casos como assédio sexual e um como estupro de vulnerável.

Relato de negligência

Dois dos três boletins de ocorrência obtidos pelo AN mencionam que a Secretaria de Educação de São Francisco do Sul sabia dos casos, porém não teria “tomado atitude para averiguação” — seja para apurá-las, para acionar a polícia ou até mesmo para acionar o Conselho Tutelar.

Procurada pela reportagem, a Secretaria de Educação de São Francisco do Sul confirmou que a diretora da escola recebeu uma denúncia no dia 18 de março. Apenas sete dias depois, dia 25, quando outros relatos vieram à tona, o caso chegou ao conhecimento da prefeitura. O município, porém, não explicou por que manteve os supostos atos do professor apenas na esfera administrativa.

Professor foi afastado

Por nota, a Secretaria Municipal de Educação de São Francisco do Sul disse que tomou conhecimento do caso pela diretora da escola na sexta-feira (25) e na segunda-feira (28/3), quando foram apresentadas as atas das reuniões com os pais, chamou o professor para prestar esclarecimentos.

A partir disso, segundo a prefeitura, as denúncias foram encaminhadas para a Procuradoria Geral do Município, para receber orientações de como proceder. O professor apresentou versão dele da história e, em seguida, foi aberto um processo administrativo contra o profissional, que foi afastado por tempo indeterminado.

Depois afastamento, a Secretaria de Educação enviou um ofício para o Conselho Tutelar informando sobre as denúncias.

Investigação

O caso está sob responsabilidade do delegado Fábio Fortes, que confirmou a existência dos relatos mas não deu detalhes sobre a investigação, alegando que o caso envolve crianças e adolescentes e segue sob sigilo.

À reportagem do AN, fontes confirmam que os envolvidos no caso vão começar a ser ouvidos a partir desta semana.

Já o Ministério Público de Santa Catarina afirma que o caso ainda não chegou ao conhecimento do órgão, justamente por estar em fase de investigação com a polícia.

Importunação, assédio e abuso sexual

Para entender como o caso pode ser investigado pela polícia, o AN ouviu a advogada criminalista Aline Tomaz. De antemão, a especialista afirma que quem determina como o caso será tratado é a delegacia que conduz as investigações e que há três classificações para crimes sexuais: importunação, assédio e, em casos mais graves, abuso.

Segundo Aline, a importunação é cometida em forma de abraços e carinhos indesejados. Ela cita situações que já ocorreram dentro de ônibus, por exemplo, em que homens se masturbam dentro do veículo ou passam a mão no corpo das vítimas.

O assédio tem características semelhantes com a importunação, mas tem como atributo específico o uso da condição hierárquica para intimidar as vítimas.

— Neste caso do professor e das alunas, dependendo do que relatam e de como o caso será tratado pelo delegado, pode ter esta característica hierárquica, como no caso de pedir para fazer algo para melhorar a nota — explica a criminalista.

Já o abuso, classificado como crime mais grave, dependendo do ato libidinoso e da idade das vítimas (até 14 anos), pode ser considerado estupro de vulnerável, conforme a legislação. Mas, novamente, a advogada reforça que tudo dependerá da análise e entendimento da polícia sobre o caso.

Para todos os três crimes, a pena pode ser de um a cinco anos de detenção.

— Mas temos que considerar o seguinte: qual ato que foi praticado e quantas vezes ele foi, para que daí a pena seja definida a partir disso — reforça.

Crime sem testemunhas

Quando se trata de um crime sexual, segundo a advogada, a palavra da vítima tem um peso forte para as investigações, já que os crimes acontecem, de maneira geral, sem testemunhas, apenas com a presença da vítima e do abusador.

Quando as vítimas são crianças, é utilizado o recurso de depoimento especial, feito com o auxílio de um psicólogo.

— Quando se tem o abuso sexual, a conjunção carnal, tem exame do corpo de delito que pode comprovar o ato. Quando se trata de importunação e assédio, a prova cabal é o depoimento — destaca.

No caso de uma possível acusação de negligência da escola, assim que as investigações forem concluídas, segundo Aline, a Secretaria de Educação pode responder criminalmente por demorar a reportar a situação caso haja entendimento da polícia de que esta espera tenha causado trauma nas estudantes ou fez com que este impacto negativo fosse estendido.

Mas também é possível que haja o entendimento de que o município agiu corretamente, já que se trata de uma grave acusação.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Covid-19: chega ao fim estado de emergência em saúde pública no Brasil

Segundo o governo, nenhuma política pública de saúde será interrompida

Homem de 57 anos é preso após tentar beijar menina de 11 anos à força, em Orleans

Fato ocorreu na Rua Aristiliano Ramos, na tarde deste sábado, dia 21.

Número de transplantes de rim caiu nos últimos dois anos

Sociedade Brasileira de Urologia lançou campanha para estimular doação

PM de Criciúma efetua apreensão de mais de 20 quilos de maconha

A droga foi localizada na noite do último sábado, dia 21