Geral

Após 32 anos, família de Tubarão reencontra jovem baiano que abrigou após acidente

Após 32 anos, família de Tubarão reencontra jovem baiano que abrigou após acidente

Foto: Divulgação

A vida dos tubaronenses Nilton da Silva e Marilu Koenig da Silva, sua esposa, estará para sempre ligada à do baiano Francisco de Assis. Na quarta-feira completam-se 32 anos desde que o garoto, na época com 14 anos, sofreu acidente na Cidade Azul, perdeu o pai e por sete meses foi cuidado pelo casal em sua casa. A história de solidariedade foi comemorada com o reencontro do trio.

Ainda emocionada em poder rever o amigo, a filha do casal, Clarissa Koenig, que na época tinha cinco anos, conta que a família, depois que o jovem voltou para sua terra natal, sempre buscou o reencontro. “Só não esperávamos que isso acontecesse mais de 30 anos depois”, fala Clarissa.

A filha do casal conta que a busca por Francisco começou nas redes socais. “Porém o nome dele é muito comum e não conseguíamos achá-lo. Até que meu irmão conseguiu encontrá-lo através do nome da mãe dele, em 2016”, relembra a tubaronense, e acrescenta que por muitos anos mantiveram contato com o homem por cartas.

Antes de se completarem 32 anos do acidente, Francisco veio até Tubarão e reencontrou a família que o abrigou por sete meses. “Foi um encontro emocionante. Saber que ele está bem… E para minha surpresa ele tem uma filha, a quem deu meu nome, Clarissa. Não pude conter a emoção e gratidão”, conta Clarissa.

História comoveu tubaronenses

Clarissa relembra que seus pais ficaram sabendo da história de Francisco pelo rádio. “Desde então, o menino, que estava sozinho e em coma, passou a receber visitas no hospital do meu pai, que ficou sensibilizado ao saber que ele estava sozinho e sem ninguém por perto. Era uma época difícil e os familiares dele não podiam estar aqui em Tubarão”, destaca a tubaronense.

Quando Francisco teve alta, segundo Clarissa, a direção do hospital ligou para Nilton e perguntou se o tubaronense não poderia abrigar o jovem. “Meu pai não pensou duas vezes e o Francisco ficou em nossa casa por sete meses, até se recuperar e voltar para sua terra. Nunca vamos nos esquecer da história do menino que sobreviveu ao acidente de caminhão da ponte Cavalcanti e sua estadia em nossa casa”, fala Clarissa.

O acidente que tirou a vida do pai de Francisco, motorista de caminhão, aconteceu no dia 8 de junho de 1985, quando o veículo despencou da ponte Cavalcanti.

Com informações do Jornal Diário do Sul

Notícias Relacionadas

Casa de Repouso Bom Jesus inaugura oficina recreativa, em Criciúma

Colisão frontal termina em morte em Balneário Rincão

Noite de Natal termina com duas mortes após colisão entre motos, em Grão Pará

Campanha Natal Jovem Solidário de Orleans distribui mais de 500 brinquedos e meia tonelada de alimentos

Ação promovida pelo Setor de Juventude da Paróquia Santa Otília finalizou no domingo (23) com a entrega das doações pelos voluntários.