Esporte

Após cirurgia, atleta de Imbituba vence Meia Maratona

Após uma cirurgia vascular, que determinou um período aproximado de recuperação de dois meses, o atleta imbitubense venceu no retorno às pistas.

Foto: Divulgação

O maratonista de Imbituba, Gabriel Garcia, tricampeão mundial em corridas de longa distância, mostrou, mais uma vez, que é possível superar limites. Após uma cirurgia vascular, que determinou um período aproximado de recuperação de dois meses, o atleta imbitubense venceu no retorno às pistas.

“Eu sempre protelei essa cirurgia. Por ser vascular, eu tinha perda de sangue. Isso fazia com que me sacrificasse ainda mais nas corridas. Mesmo assim, eu ganhei títulos, entre eles, os mundiais. A perda de sangue me enfraquecia e eu era obrigado tomar muito suplemento para me recompor”, lembrou o atleta de Imbituba.

Em Tubarão, no último fim de semana. Gabriel Garcia participou de uma Meia Maratona, que reuniu cerca de 600 atletas, entre homens mulheres. Na prova de 21 quilômetros, o superatleta de Imbituba baixou em 13 minutos o próprio recorde.

“Foi muito bom. Fiquei muito satisfeito com o resultado. Para esse ano eu ainda quero competir em mais algumas provas. Entre elas, a maratona de Florianópolis, em agosto, e uma corrida de 42 quilômetros em algum outro país da América do Sul”, informou o tricampeão mundial de 72 anos, Gabriel Garcia.

Colaboração: Comunicação Prefeitura de Imbituba

Notícias Relacionadas

Médica é condenada por morte de paciente após cirurgia em Orleans

O fato aconteceu em setembro de 2014, quando a vítima havia sido internada para a retirada de um cisto no ovário.

Projeto Ver retorna ao Sul do Estado com 990 cirurgias de catarata

Nesta quarta-feira (14), iniciam as cirurgias de catarata para 207 pacientes da Amrec, em Nova Veneza, e da Amurel, em Braço do Norte.

Atleta de Nova Veneza é campeã do nacional de atletismo escolar em Natal

Larissa da Silva Lúcio, de 16 anos, competiu em duas provas: salto em altura e 800 metros

Conflito entre credo religioso e ética médica impede cirurgia sem reserva de sangue

Segundo o desembargador, por mais que o paciente esteja aparentemente disposto a arriscar a própria vida na operação, não compete ao Judiciário interferir no ato médico e na liberdade de consciência do profissional responsável.