Saúde

Após greve, auditoria em contas pode ser solicitada no Hospital de Laguna

O Sindicato dos Médicos informou aos demais hospitais da região, o Corpo de Bombeiros, juízes e promotores sobre a paralisação do hospital de Laguna.

Foto:André Luiz/Difusora

Médicos do Hospital de Caridade Senhor Bom Jesus dos Passos, de Laguna, mantêm a greve iniciada nessa sexta-feira e os únicos atendimentos mantidos pela instituição são de urgência e emergência, segundo a presidente Regina Ramos dos Santos. “A situação permanece inalterada e sem previsão de retorno”, pontua. As informações são do jornal Diário do Sul.

Regina explica que uma das dívidas em questão com a prefeitura é do período entre 2010 e 2012, quando houve corte na produção ambulatorial. “Esta situação está na Justiça, mas estamos aguardando um acordo com a prefeitura. Esta administração está com o repasse em dia, mas só isto não basta. Precisamos de mais recursos”, revela.

Na quinta-feira, o secretário de Estado da Saúde, Vicente Augusto Caropreso, esteve reunido com o prefeito de Laguna, Mauro Candemil, e diversas outras autoridades para tratar do assunto. Mauro Candemil mencionou os diversos problemas que o hospital vem enfrentando e que desde o ano de 2010 aguarda a implantação da UTI.

O prefeito lembrou ainda que muitos repasses não são feitos à entidade pela falta de CNDs (Certidões Negativas de Débitos), e afirmou que a prefeitura vem repassando rigorosamente em dia os valores conveniados, um na ordem de R$ 75 mil para pagamento da hora-plantão dos médicos, e outro na ordem de R$ 19 mil para o pagamento do médico anestesista.

“Portanto, a questão da paralisação não é de responsabilidade do município, pois, em todos os momentos que esta administração foi procurada, tentou da melhor forma possível auxiliar a entidade. Precisamos saber qual a real situação do hospital, pois ao que tudo indica é uma questão de gestão”, concluiu o prefeito Mauro Candemil.

O presidente do Sindicado dos Médicos da Região da Laguna, Odimar Pires Pacheco, sugeriu que deva haver uma ampla reformulação no hospital e, se necessário for, começar do zero. “É o momento de se tomar medidas enérgicas”, destaca. Para ele, o correto é que haja uma intervenção e que se faça de imediato uma auditoria para verificar todas as causas do problema.

O secretário de Estado da Saúde, Vicente Caropreso, se propôs a buscar alguns recursos para o próximo ano, sem mencionar valores, porém, salientou que essa sangria deve ser atada e para isso disponibilizará sua gerente de gestão a fim de potencializar a entidade e identificar os problemas através de uma auditoria. “Sem isso, o problema continuará se arrastando”, pontua.

O presidente do Sindicato dos Médicos lembrou que o sindicato tomou todas as providências e informou aos demais hospitais da região, o Corpo de Bombeiros, juízes e promotores sobre a paralisação do hospital de Laguna. Ele garantiu que os casos de pacientes já internados continuarão com seus respectivos atendimentos, assim como também os casos de urgência e emergência. Os demais casos serão encaminhados aos hospitais da região.

Notícias Relacionadas

Estado garantirá tratamento anual de R$ 2,7 milhões a criança de Laguna com AME, decide TJ

De acordo com os autos, a perícia médica comprovou que a criança, natural de Laguna, precisa do remédio e que inexiste, na rede pública de saúde, tratamento para a doença.

Idoso capota carro sobre a Ponte Anita Garibaldi, em Laguna

Motorista de aproximadamente 80 anos estava sozinho quando perdeu o controle do veículo com placas de Braço do Norte.

Em Laguna, governador autoriza emissário terrestre para a praia do Mar Grosso e libera recursos para hospital

A projeção da Casan é que o empreendimento fique pronto em janeiro de 2020. O emissário é uma rede de 2.718 metros de extensão e diâmetro de 315 milímetros, com tubos de polietileno.

Tribunal de Justiça confirma que município de Laguna deve fechar acessos de carros à Praia do Cardozo

Na sentença, foi determinado ainda que a prefeitura promova a instalação de placas de advertência no local e fiscalize a área, sob pena de multa diária no valor de R$ 500. A decisão busca preservar o meio ambiente e proteger os banhistas.