Geral

Arrecadação de SC bateu marca histórica de R$ 3 bilhões em janeiro

Deste total, quase 97% equivalem à arrecadação própria do Estado.

Divulgação

Enquanto a União amarga o pior desempenho de arrecadação da década em 2020, Santa Catarina chega à marca inédita de R$ 3 bilhões arrecadados neste início de 2021. O mês de janeiro registrou o valor inédito até esta sexta-feira (29). Deste total, quase 97% equivalem à arrecadação própria do Estado.

Entre os setores que mais se destacaram no mês está o de material de construção, com acréscimo de 51,6%. Na sequência vêm os setores metalmecânico (36%), os supermercadistas (29,8%) e a indústria têxtil (27,8%). Destaque na arrecadação estadual, o setor de combustíveis registrou alta de 10,2% em janeiro.

“Este desempenho tem relação direta com a atividade e presença fiscal. Não se trata de conjuntura. Se fosse assim outros estados e a União também registrariam crescimento. Considerando 2020, crescemos 2,3% na arrecadação anual total e 2,6% na arrecadação anual do ICMS, enquanto na União o resultado foi negativo em 6,9%, o pior da década”, avalia o presidente do Sindicato dos Fiscais da Fazenda do Estado de SC (Sindifisco/SC), José Antonio Farenzena.

A título de comparação, os vizinhos Paraná e Rio Grande do Sul também amargaram perdas em 2020, segundo dados do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). A economia paranaense encerrou o último ano com resultado negativo de 0,5%. Já os gaúchos registraram perda de 1,5% na arrecadação em 2020 na comparação com 2019.

“O mérito é compartilhado com a classe empresarial, enfatizando a saúde financeira dos contribuintes, a capacidade técnica dos trabalhadores, a parceria com os profissionais de contabilidade, o trabalho da Procuradoria-Geral do Estado e o comprometimento dos servidores da Receita Estadual”, comemorou a diretora em exercício de Administração Tributária (DIAT) da Fazenda estadual, Karla Barbosa.

Histórico

Farenzena recorda que a marca do primeiro R$ 1 bilhão mensal arrecadado foi em 2009, e que por conta de sucessivas crises foram necessários sete anos para dobrar o número e chegar a R$ 2 bilhões, o que aconteceu em dezembro de 2016.

O crescimento contínuo da arrecadação não está atrelado ao aumento de impostos. Santa Catarina manteve as alíquotas mesmo enquanto mais de 20 estados o fizeram no auge da recessão econômica de 2015 e 2016. “O fisco catarinense não tributa mais em época de crise, e sim inova mais e se supera ano a ano”, diz.

Desempenho

Não é de hoje que o Fisco catarinense é referência nacional positiva. E foi justamente o trabalho consolidado da administração tributária estadual que fez a diferença na rápida recuperação da economia catarinense após o primeiro abalo da pandemia.

A manutenção das atividades mesmo com a pandemia e as novidades como a Nota Fiscal Eletrônica ao Consumidor (NFC-e) e o aplicativo Malhas Fiscais colaboraram diretamente para o bom desempenho no resultado de 2020.

“O Fisco vem provendo o que é necessário para manutenção dos investimentos públicos. O trabalho não parou e o resultado é uma situação fiscal positiva em Santa Catarina, apesar da conjuntura, inclusive com recordes batidos ao longo do ano”, completa Farenzena.

Com informações do site TNSul

Notícias Relacionadas

Santa Catarina registra dois novos casos de coronavírus e divulga plano de contingência para enfrentar a doença

Coronavírus em SC: Santa Catarina salta 16 posições e está entre os estados com menor incidência da doença no país

As estratégias de isolamento social e combate ao coronavírus levaram Santa Catarina a avançar para posição de destaque nacional no enfrentamento à pandemia.

Produtor do melhor mel do mundo, Santa Catarina prevê safra acima da média em 2020

Santa Catarina tem uma série de fatores que, naturalmente, favorecem o cultivo de um mel diversificado e até mais puro.

PRF prende um dos assaltantes mais procurados de Santa Catarina na BR-101, em Biguaçu

O suspeito é conhecido por assaltos, furtos de cofres de empresas e caixas eletrônicos no oeste e meio oeste catarinense.