Segurança

Audiência sobre assassinato de Roseli Stoll tem data marcada em SC

Corpo segue desaparecido desde o dia 2 de dezembro de 2021 quando ela foi morta asfixiada; ex-companheiro segue preso em Concórdia

Divulgação

Foi marcada para o dia 16 de maio a primeira audiência do processo criminal sobre a morte de Roseli Fátima Stoll, de 38 anos. A vítima teria sido morta asfixiada com um cinto pelo ex-companheiro no dia 2 de dezembro de 2021 em Concórdia, no Oeste de Santa Catarina. Porém, 4 meses depois o corpo ainda segue desaparecido.

O suspeito está preso preventivamente no Presídio Regional de Concórdia. Conforme a Justiça, essa é a primeira audiência onde serão ouvidas as testemunhas de acusação e de defesa. Após encerrada essa primeira fase, o processo será encaminhado para o juiz Ildo Fabris, da Vara Criminal da comarca de Concórdia que dirá se o réu será julgado pelo júri ou não.

O ex-companheiro de Roseli confessou à PC (Polícia Civil) que, após matar, teria jogado o corpo em um lago amarrado a uma pedra, no município de Alto Bela Vista, no Oeste de Santa Catarina.

O Corpo de Bombeiros Militar encerrou as buscas pelo corpo da vítima no dia 17 de dezembro. A operação se concentrou no lago de uma usina hidrelétrica no interior do município de Alto Bela Vista, a cerca de 10 km do Centro, onde o namorado da vítima e indicou ter dispensado o corpo.

Foram 10 dias de buscas na comunidade de Entre Rios. O ponto indicado pelo suspeito pode chegar a uma profundidade de 25 metros, equivalente a um edifício de 10 andares.

Os bombeiros realizaram 15 mergulhos e vasculharam cerca de 100 km do rio durante esse período. Após a suspensão das buscas pelo corpo, os familiares decidiram seguir procurando o corpo no lago.

O delegado responsável pela investigação, Alvaro Weinert Optiz, informou que o Inquérito Policial foi concluído e o caso encaminhado ao MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) que ofereceu a denúncia contra o suspeito no dia 17 de dezembro.

De acordo com o promotor, Luís Otávio Tonial, responsável pela 2ª Promotoria de Justiça de Concórdia, consta na denúncia a prática de dois crimes: homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. As qualificadoras do homicídio são morte por asfixia, a dificuldade de defesa da vítima e o feminicídio que configura a questão da violência doméstica.

Relembre o caso

Roseli morava no bairro Nações, em Concórdia. A mulher foi vista pela última vez em um restaurante na área central, logo após sair do trabalho, por volta das 19h40 do dia 2 de dezembro. Familiares registraram um Boletim de Ocorrência no dia 6 de dezembro, pois ela não foi trabalhar e a casa não tinha sinais de arrombamento.

O ex-namorado da mulher já era investigado pela polícia, pois estava foragido e teria passado por Florianópolis (SC) e Caxias do Sul (RS). Os dois estavam juntos há cerca de sete meses e ele não aceitava o fim da relação.

A auxiliar de cozinha pretendia terminar o relacionamento na noite do dia 2 de dezembro, quando foi morta asfixiada com uma cinta na casa do ex-companheiro. O motivo para o término seria porque Roseli tinha o desejo de ir para o Paraná visitar seus filhos sozinha e o companheiro não concordava.

Segundo o delegado, a investigação apontou que naquele dia Roseli deixou seu local de trabalho, caminhou até as proximidades do hospital de Concórdia e entrou no carro do então companheiro.

Imagens de câmeras de segurança registraram o momento que o casal chega a casa do homem. “Ele entra na casa ascende as luzes e a mulher fica do lado de fora, o que dá a entender que, em tese, ela não foi obrigada a ir até o local”, pontua Optiz.

O crime teria ocorrido entre 21h e 22h quando gritos foram ouvidos no interior da casa. A investigação apurou, ainda, que mais ninguém entrou no local nesse período.

Conforme o delegado, na manhã do dia 3 de dezembro, próximo ao meio dia, o homem retirou o corpo de Roseli enrolado em um lençol, levou até seu carro que estava na garagem e foi até Alto Bela Vista. “Há registros de que o carro passou na SC-390 e voltou cerca de 1h30 depois pelo mesmo trajeto.”

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Polícia Civil cumpre mandados contra suspeitos de latrocínio em Sombrio

Corpo é encontrado carbonizado dentro de carro em Criciúma

Mulher encontrada morta em Balneário Arroio do Silva é identificada

Moradora é morta a facadas e R$ 5 mil são roubados, em Forquilhinha