Geral

Bolsa volta a despencar e dólar encosta em R$ 5,20

B3 interrompeu negócios pela sexta vez em dez dias.

Foto: PRF/Divulgação

Em mais um dia de pânico nos mercados globais, a bolsa de valores caiu pouco mais de 10% e voltou aos níveis de agosto de 2017. O dólar aproximou-se de R$ 5,20 e voltou a fechar no maior valor nominal desde a criação do real.

O índice Ibovespa, da B3, a bolsa de valores brasileira, fechou esta quarta-feira (18) aos 66.895 pontos, com queda de 10,35%. Pela sexta vez em dez dias, a bolsa acionou o circuit breaker, mecanismo que suspende as negociações quando o índice cai mais de 10%. Das 13h18 às 13h53, a B3 ficou paralisada, mas o Ibovespa continuou a cair após a retomada da sessão.

O circuit breaker quase foi acionado pela segunda vez por volta das 14h. Caso o índice caísse mais de 15%, as operações seriam interrompidas por uma hora. No entanto, o Ibovespa reagiu na hora final da sessão, com a queda estabilizando-se em torno dos 10%.

O dólar comercial encerrou a segunda-feira vendido a R$ 5,198, com alta de R$ 0,195 (+3,9%), na maior cotação nominal desde a criação do real. A divisa começou o dia vendida em torno de R$ 5,20, mas o Banco Central (BC) interveio no mercado. O dólar foi negociado em torno de R$ 5,13, mas voltou a subir no fim da tarde. Na máxima do dia, por volta das 16h, a cotação bateu em R$ 5,24, mas desacelerou após nova atuação do BC.

A autoridade monetária fez um leilão de linha de US$ 2 bilhões. Nesse mecanismo, o BC vende dinheiro das reservas com compromisso de recomprá-lo meses mais tarde. Posteriormente, o BC fez mais três leilões de venda direta de dólares das reservas, num total de US$ 860 milhões. A divisa acumula alta de 29,53% em 2020.

Os mercados financeiros em todo o planeta enfrentam dias de nervosismo por causa da ameaça de recessão global provocada pelo agravamento da pandemia de coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

Petróleo

A intensificação da guerra de preços do petróleo entre Arábia Saudita e Rússia também contribuiu para abalar o mercado. Os dois países estão aumentando a produção de petróleo, o que provoca uma queda mundial nos preços.

A decisão derrubou o preço do barril do tipo Brent para US$ 26,69, no menor nível desde 2002. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, desabaram. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) caíram 15,52% nesta quarta. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) recuaram 13,15%.

Com informações do site Agência Brasil

Notícias Relacionadas

Bancos passam a cobrar dólar do dia da compra com cartão

Medida começa valer a partir de 1º de março, conforme circular do Banco Central

Carne, dólar em alta e FGTS: as causas da inflação que bateu recorde desde 2016

Apesar do IPCA fechar 2019 acima do previsto, especialista do Ibmec/SP aponta que tendência é estabilização do preço este ano, principalmente dos alimentos.

Profissional que atua nos Estados Unidos visita o basquete da Satc

Diretor analisa atletas para jogarem na Universidade de São Francisco.

Assaltantes são presos após roubar bolsa de mulher no Sangão

Criminosos ainda tentaram dispensar drogas no momento da fuga.