Geral

Braço do Norte complementa Plano de Proteção Animal

Além da castração e microchipagem, feitas desde 2017, também serão realizadas ações para estimular a posse responsável.

Foto: Divulgação

Mais uma ação está sendo implementada em Braço do Norte para completar o Programa de Proteção Animal, que já é desenvolvido gratuitamente pela Prefeitura através da Secretaria de Agricultura.

Além da castração e microchipagem, feitas desde 2017, também serão realizadas ações para estimular a posse responsável, incentivar a adoção de animais, estabelecer o destino final de cadáveres de animais e preservar a saúde da população.

A iniciativa foi realizada através de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) assinado entre a Prefeitura, Fundação Municipal de Meio Ambiente (Funbama) e Ministério Público de Santa Catarina (MPSC).

Outra proposta é a organização no município, em parceria com voluntários, de feiras de adoção de animais, além da confecção de materiais para a orientação da população.

Para saber mais sobre o Programa de Proteção Animal de Braço do Norte basta procurar a Secretaria de Agricultura, que está localizada na Rua Professor Pedro Michels, 757, Nossa Senhora de Fátima (próximo ao Estádio Lauro Koch), ou pelo telefone (48) 3658-4104.

Colaboração: Comunicação Prefeitura de Braço do Norte

Notícias Relacionadas

Cocal do Sul assina convênio com Unibave para castração de 30 animais de rua por mês

O objetivo é controlar o crescimento populacional de cães e gatos

Mais de 100 animais marinhos são encontrados mortos na orla entre Laguna e Imbituba

Em apenas um dia foram encontrados um lobo marinho, 104 pinguins e nove aves oceânicas.

Lauro Müller terá mutirão para castração em animais de rua e inscritos no CAD Único

Cerca de 200 animais de famílias inscritas no CAD Único da Assistência Social também terão microchipagem para os animais.

Animais que viviam em local inadequado são recuperados pela Vigilância em Saúde de Imbituba

A equipe Prefeitura de Imbituba retirou de uma residência do município, 20 cães que viviam em um local sem espaço físico. A pessoa que abrigava os animais também não apresentava meios financeiros que garantissem o cuidado diário.