Saúde

Butantan suspende acordo de vacinação com municípios de Santa Catarina

Se o governo federal decidir pela compra da Coronavac, parceria entre prefeituras com o Instituto será cancelada e o Ministério da Saúde assumirá a distribuição.

Divulgação

A parceria entre a Fecam (Federação Catarinense de Municípios) e o Instituto Butantan para a distribuição da Coronavac nos municípios de Santa Catarina foi suspensa nesta semana. O cancelamento de venda da vacina às prefeituras deve ser anunciado na próxima segunda-feira (18).

O Ministério da Saúde requisitou a compra das seis milhões de doses disponíveis da vacina e, por meio do PNI (Plano Nacional de Imunizações), deverá assumir a distribuição do imunizante.

O acordo firmado com o Instituto destinava, inicialmente, o fornecimento de 500 mil doses da Coronavac às cidades interessadas em Santa Catarina.

A ação pioneira da Fecam fez com que outras 184 prefeituras no país procurassem o Butantan para fechar acordos de compra de vacinas. O presidente da Fecam, Paulo Roberto Weiss, afirma que a entidade buscou um “plano B” para o Estado.

“Acredito que atingimos nosso objetivo, que era provocar o debate na sociedade catarinense, no governo do Estado e nas outras entidades da Federação, para cobrar do governo federal que acontecesse o Plano Nacional de Imunização. Até dezembro não se falava nada disso”, aponta.

O impasse em torno da vacinação girou em torno da disputa política entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Porém, diante da dificuldade de conseguir imunizantes, o governo federal decidiu seguir com a Coronavac.

Como irá funcionar

A primeira fase da vacinação está destinada a 134 mil profissionais da área da saúde; a 174 mil idosos com mais de 75 anos; às 6 mil pessoas acima de 60 anos ou em ILPIs (Instituições de Longa Permanência para Idosos) e aos 11 mil indígenas no Estado.

No entanto, caso o governo federal não efetue a compra das vacinas e não siga com o PNI, Weiss afirma que a Fecam continua o acordo com o Instituto.

“A nossa cobrança será para isso. O governo federal assumiu um compromisso público ontem, ao anunciar que iniciará a vacinação no próximo dia 20. Não vou questionar se pode conseguir ou não, mas foi a informação do nosso ministro da Saúde (Eduardo Pazuello) e nós iremos cobrar”, garante.

Com informações do NDMais

Notícias Relacionadas

Fapesc investe R$ 1 milhão em novos estudos para produção de vinho e uva em SC

A produção de uvas e vinho abrange ainda uma área de cultivo de cerca de 6 mil hectares em diferentes regiões. Só de vinícolas, são 95 empresas registradas no Estado

Profissionais da Assistência Social passam por minicurso sobre abordagem antirracista em Criciúma

Palestra foi ministrada por três profissionais da área da Educação e Direito e ocorreu no Salão Ouro Negro

24 horas: Um sonho de 30 anos realizado em Cocal do Sul

A inauguração será neste domingo (26), às 18h, no dia do aniversário de 30 anos de Cocal do Sul

Edital Cultura Criciúma contemplará 30 projetos com R$ 133 mil

Inscrições podem ser feitas até o dia 22 de outubro. Objetivo é incentivar atividades culturais na cidade