Turismo

Caminhada reúne amantes da fotografia em Morro da Fumaça

A 3ª Camminata Fotografica: nos Trilhos da Estação foi organizada pelo Foto Clube Urussanga em parceria com o Movimento pela Paz da Estação Cocal.

Fotos: Ana Lúcia Pintro

Um grupo de 45 pessoas caminhou por cinco quilômetros pelos trilhos e estradas do distrito Estação Cocal de Morro da Fumaça, neste sábado, dia 19. A 3ª Camminata Fotografica: nos Trilhos da Estação foi organizada pelo Foto Clube Urussanga em parceria com o Movimento pela Paz da Estação Cocal. “O objetivo deste encontro é registrar as paisagens, a arquitetura histórica e a nossa cultura por meio da fotografia. Posteriormente compartilharemos este trabalho com a comunidade organizando uma exposição”, explicou um dos organizadores, Guilherme Meneghel.

Foto: Ana Lúcia Pintro

A importância do Clube de Foto como espaço de troca de conhecimentos entre os amantes desta arte foi ressaltada pelo argentino Juan Russo, fotógrafo profissional. “Urussanga tem a única associação do sul catarinense. A fotografia se popularizou com o acesso às tecnologias. No entanto, temos muito que aprender uns com os outros e este movimento nos ajuda a treinar o exercício do olhar e a aprimorar técnicas e o entendimento da mecânica da fotografia”, frisou Russo.

Os participantes, de idades e profissões diferentes, partiram da antiga Villa Stazione, conheceram as comunidades de Vila Rica e Linha Pagnan e reuniram-se para um piquenique em frente ao Capitel Santo Antonio. Dário Alves Batista, de 84 anos, gosta de estar com gente jovem. “Aqui não se fala em remédio, em doença e nem mal dos outros. Conheci uma pessoa que fez o Caminho de Santiago de Compostela, falamos de nossos sentimentos e da vida. Isto me motiva a fazer parte destas ações e não me deixa cansado”.

Para finalizar o dia, buscaram imagens do entardecer num dos morros do município de Treze de Maio. As nuvens dificultaram um pouco a visibilidade, mas um monumento natural formado por três blocos de rochas de granito sobrepostas colaboraram com o visual.

O geógrafo, Bill De Nez, explicou que aquelas rochas são extrusivas plutônicas, ou seja, formaram-se nas profundezas da crosta terrestre e que há milhares de anos foram soerguidas até a superfície. Com o tempo, agentes externos como a água das chuvas, sol e o vento, ocasionaram o desgaste natural dos blocos, separando-os e formando a escultura de rocha.

Otávio Soratto: memória viva da comunidade

Foto: Ana Lúcia Pintro

O café da manhã no pátio da casa do senhor Otávio Soratto foi enriquecido com relatos do passado. Seguem trechos que apresentam lembranças e mostram a vivacidade deste morador de 99 anos, quase centenário.

“Eu vivia só de caça. Caçava veado, paca e muita jacutinga. Guardava na banha para conservar, mas muita carne estragava porque não existia geladeira. Tinha muito charque produzido na serra”.

“Naquele tempo não tinha caminhão, eram todos tropeiros. A estrada era em outro lugar. Por ela passavam 200 a 300 porcos que vinham da serra a pé. Os tropeiros iam à frente jogando milho. Quando o transporte era gado, conduziam a cavalo e com cachorro.”

“O meu pai construiu o engenho de farinha de mandioca. Eram descascadas com uma faca. Eu tinha uns 10 anos quando passou o primeiro avião por aqui. Todos saíram assustados do engenho para ver e deixaram queimar a farinha.”

“Em 1936, com 17 anos, fui trabalhar em São Paulo na construção de estradas de ferro. Embarquei em Imbituba e fiquei três noites e três dias dentro do mar, vendo céu e água.”

“Quem ganhou a licitação para construir a estrada de ferro da Esplanada à Urussanga foi o pai do ex-deputado Ademar Ghisi.
Ribeirão de Areia foi colonizado antes de Estação Cocal. Aqui era um Amazonas. Um dia fiz uma maca no alto de uma árvore e de lá via uma onça embaixo.”

“Não adianta mais criar porco pra vender porque ninguém compra. Nem ovo, nem queijo não se vendem mais. A banha de hoje não coalha, antes entortava a colher quando íamos retirar da lata.”

“A minha comida é o peixe. È a comida mais saudável, até Deus comeu. Hoje não tem mais nada natural para comer.
Se todas as pessoas fossem como vocês, não precisava de prisão. A gente poderia dormir de janela e porta aberta, sem ficar com medo.”

Veja mais fotos da caminhada

  • Caminhada Fotografica (11) (Copy)
  • a (Copy)
  • a2 (1) (Copy)
  • Caminhada Fotografica (3) (Copy)
  • a3 (Copy)
  • Caminhada Fotografica (24) (Copy)

Colaboração: Ana Lúcia Pintro – Professora Matemática (Criciúma e Cocal do Sul) e Acadêmica de Jornalismo (SATC)

Notícias Relacionadas

Sorteio de R$ 30 mil em dinheiro aumenta procura por compras no Feirão Roluza

Mais de 100 mil cupons já foram preenchidos por clientes que participam da promoção Natal Premiado. Sorteio acontece no domingo (24).

Homem que agrediu empresário durante caminhada é condenado em Criciúma

O crime aconteceu em julho de 2017 quando o empresário foi atacado de surpresa, com socos e chutes na cabeça.

Voluntários madrugam e participam de caminhada em prol de hospital em Lauro Müller

1ª Caminhada da Associação Amigos do Hospital Henrique Lage - AMHO percorreu 17 quilômetros até a comunidade de Rio Amaral Rádio, onde um café foi servido aos participantes.

Feirão Roluza lança coleção Outono/Inverno 2018

Grande variedade de peças com as cores da estação, movimentam os primeiros dias do lançamento. Loja localizada em Morro da Fumaça abre neste fim de semana.