Geral

Carbonífera Criciúma tem pelo menos R$ 10 milhões para pagar trabalhadores

Enquanto a situação de falência ou recuperação não é definida, dinheiro segue bloqueado.

Divulgação

Até o fim de setembro poderá ser definida a situação da Carbonífera Criciúma. Se será decretada falência ou então continuará a recuperação judicial. O tema é analisado pela juíza Eliza Maria Strapazzon, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Criciúma. O advogado e administrador judicial responsável pelo caso, Maurício Colle de Figueiredo explicou a situação, dizendo que existe dinheiro para pagamentos.

“Em reunião a gente definiu algumas estratégias jurídicas, para que se o processo terminasse em falência, alguns atos fossem cumpridos. Nós estabelecemos uma força tarefa. A gente pegou a situação que mais demora em um processo de falência e atacamos essa situação, a nível de corregedoria”, comentou.

Segundo o advogado, em processos desse tipo, os primeiros a receberem são os antigos funcionários. Ainda não existe uma data para o começo dos pagamentos, que envolve cerca de 700 trabalhadores. A decisão será tomada depois que a juíza retornar das férias. O pagamento dos funcionários parou em 2015, gerando uma dívida de R$ 5 milhões na época.

“Hoje na Justiça do Trabalho temos uns R$ 10 milhões depositados. Ainda não temos acesso a essas informações, porque ela pediu que esse dinheiro viesse para o processo de recuperação. Se for arrecadado e vendido propriedades, devemos ter uns R$ 30 milhões”, contou o advogado.

Em 2016 a Justiça Comum negou um pedido de recuperação judicial e diversos imóveis, carros e contas bancárias da empresa e dos proprietários foram bloqueados pela 4ª Vara do Trabalho de Criciúma.

Com informações do site 4oito 

Notícias Relacionadas

TST decide julgar dissídio da greve dos trabalhadores dos Correios

Julgamento ainda não tem data marcada pelo tribunal

Em Treviso, Sesi oferta ações gratuitas em saúde e recreação

Iniciativa é voltada aos trabalhadores das carboníferas da região, seus dependentes e a comunidade em geral.

Brasil precisa capacitar 10,5 milhões de trabalhadores até 2023

Profissões ligadas à tecnologia terão maior crescimento.

Governo anuncia R$ 200 bilhões para socorrer trabalhadores e empresas

Medidas provisórias e auxílio de R$ 600 devem sair até amanhã