Geral

Carbonífera terá que indenizar donos de terras em Urussanga

No local, eram cultivadas plantações de leguminosas, bananas e criação de animais

Foto: Reprodução

Uma empresa carbonífera foi condenada a indenizar produtores rurais por conta de intervenções decorrentes da extração mineral, em Urussanga. Os trabalhos teriam causado danos no poço que abastecia uma propriedade agrícola.

Segundo prova pericial, os danos se deram em virtude da acomodação geotécnica local que comprometeu a captação de água para irrigação. No local, eram cultivadas plantações de leguminosas, bananas e criação de animais.

Os proprietários do imóvel alegaram que, aproximadamente desde 2016, passaram a perceber que o poço, bem como uma fonte secundária de captação de água (olho d’água) secavam, com progressiva diminuição dos níveis.

Uma visita ao local feita pelo DNPM (Departamento Nacional de Proteção Mineral) também verificou que a empresa ré exerceu atividade mineradora no subsolo da propriedade, o que ocasionou movimentação do solo e os danos observados.

Diante disso, a decisão pontuou que, além dos danos materiais, ficou evidente o abalo emocional sofrido pelos autores, em face do esgotamento do abastecimento de água no terreno que utilizam para cultivo e sustento familiar.

A carbonífera, portanto, foi condenada ao pagamento de indenização por danos materiais aos autores, correspondente à desvalorização da propriedade pelo esgotamento do abastecimento subsuperficial da água, que deve ser apurada em sede de liquidação de sentença, e ao pagamento de R$ 15 mil para cada um dos quatro autores da ação, em um total de R$ 60 mil, a título de indenização por danos morais, acrescido de juros e correção monetária.

Outra condenação

Em outra ação semelhante, a empresa também foi condenada por conta das mesmas intervenções, que nesse caso causaram seca no açude de uma propriedade e, consequentemente, a desvalorização do imóvel.

Segundo prova pericial, houve interrupção no abastecimento de água para o açude. A mineradora deverá indenizar, a título de danos materiais aos autores, em valor correspondente à desvalorização da propriedade pelo esgotamento do abastecimento subsuperficial da água, também a ser apurada em sede de liquidação de sentença. Em ambas as decisões, cabe recurso ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Câmara aprova doação de terras do Instituto Leonardo Murialdo para a Prefeitura de Orleans

Em sessão nesta segunda-feira (3), os vereadores ainda abordaram a preservação ambiental em áreas às margens do Rio Tubarão

Prefeito de Orleans revoga decreto de desapropriação das terras do Instituto Leonardo Murialdo

A revogação ocorreu após acordo entre a Administração Pública e o Instituto. Cerca de cinco hectares de terras foram doados à Prefeitura de Orleans.

Empresa deverá indenizar passageira vítima de ato obsceno em transporte coletivo

Uma concessionária do transporte coletivo deverá indenizar uma passageira em R$ 10 mil, a título de danos morais, por atos obscenos presenciados em um ônibus da empresa no município de Arroio do Silva.

Chapa 1 vence eleição do Sindicato dos Mineiros de Lauro Müller