Poder Executivo

Carnês de IPTU de Cocal do Sul deverão ser retirados pelo site a partir do dia 13 de março

IPTU Cocal do Sul

Foto: Maria Luiza Da Rolt / Comunicação Prefeitura de Cocal do Sul

O Governo Municipal de Cocal do Sul comunica aos contribuintes que os carnês de IPTU estarão disponíveis para entrega até o dia 10 de março, na prefeitura. Após essa data, eles poderão ser retirados pelo site www.cocaldosul.sc.gov.br, no link IPTU – imprima seu boleto, logo abaixo das notícias do município.

Para isso, o  cidadão precisará apenas digitar o CPF do titular do imposto. O município lançou, neste ano, 7 mil talões, totalizando aproximadamente R$ 1,7 milhão. A expectativa do Governo Municipal é receber entre 70% e 75% do valor lançado nos próximos meses.

A primeira parcela terá vencimento no dia 31 de março. Quem optar pelo pagamento à vista terá 10% de desconto. Também serão concedidos 5% de desconto aqueles que preferirem pagar em cota única até o dia 28 de abril. Além disso, o IPTU poderá ser parcelado em até quatro vezes com vencimentos em 31 de março, 28 de abril, 31 de maio e 30 de junho.

Colaboração: Maria Luiza Da Rolt / Comunicação Prefeitura de Cocal do Sul

Notícias Relacionadas

Vereadores aprovam leilão de veículos, mas cobram planejamento do Governo Municipal

Segundo vereadores, a Secretaria de Agricultura ficaria sem caminhão para atender o setor. Desconto no IPTU para pagamento em cota única também é aprovado.

Prazo para pagamento do IPTU de 2019 em cota única termina nesta quinta-feira em Criciúma

Guias devem ser emitidas pela internet ou em locais físicos. Prefeitura já arrecadou aproximadamente R$ 5 milhões com pagamento à vista.

Criciúma prorroga para 13 de março vencimento da primeira parcela do IPTU e outros tributos municipais

Novos carnês devem ser retirados a partir de quarta-feira, 4, sem cobrança de juros e multas. Problema no sistema impediu pagamento das faturas que venciam na última sexta-feira (28)

Município de Balneário Gaivota que cobrava IPTU sobre lotes inexistentes, terá de fazer planejamento urbano​

Na ação proposta pelo Ministério Público (MP), foi apontada a ausência de cadastros territoriais e mapeamentos confiáveis que dão causa à cobrança indevida de IPTU relativo a lotes que fisicamente não existem