Geral

‘Caruru gigante’: operação atua para evitar entrada de praga perigosa em SC

‘Caruru gigante’: operação atua para evitar entrada de praga perigosa em SC

Foto: Divulgação

Com a crescente invasão de Amaranthus palmeri em alguns lugares do Brasil, a Cidasc acendeu o alerta e iniciou uma ação para evitar a entrada da praga em Santa Catarina. Essa praga perigosa é conhecida como caruru gigante e pode causar graves prejuízos para as lavouras infestadas.

Conforme a Cidasc, o objetivo é identificar as propriedades de risco do caruru gigante. O trabalho conta com os auxiliares operacionais agropecuários, que trabalham nos Postos de Fiscalização Agropecuária.

A planta é classificada como praga de difícil controle, cresce rápido e é extremamente agressiva. Ela se adapta com facilidade aos ambientes e condições climáticas, além de possuir resistência a alguns herbicidas.

O gestor do Departamento Estadual de Defesa Sanitária Vegetal da Cidasc, Alexandre Mees, explicou que os transportadores das máquinas que fazem a colheita dos grãos também devem auxiliar nesse controle.

“Precisamos do apoio de quem transita em outros estados com máquinas agrícolas. Basta parar num posto de fiscalização para uma inspeção rápida e fornecer as informações solicitadas”, pontua Mees.

“Vale ressaltar que a vigilância visa prevenir a introdução de pragas em nosso estado, como, por exemplo, fungos, bactérias, insetos e plantas daninhas, que colocam em risco a sanidade dos pomares e lavouras”.

Amaranthus palmeri ou caruru gigante:

O caruru gigante pode cruzar com outras espécies do gênero, transferir genes de resistência, com risco potencial de reduzir a produtividade de culturas como a soja, o milho, o feijão e algodão em até 90%.

Não há registro da praga em solo catarinense, mas já foi observada em plantações de municípios de Mato Grosso, desde 2015, e, mais recentemente, em Aral Moreira e Naviraí, no Mato Grosso do Sul.

O último e mais próximo registro foi na divisa do Mato Grosso do Sul com o Paraná. Relatos indicam que uma planta pode produzir de 100 mil a 1 milhão de sementes.

Portanto, com alto potencial de disseminação nos campos de produção agrícola e pode ser facilmente confundido com outras espécies que vegetam no Brasil, especialmente o caruru de espinho.

“A atenção está focada em máquinas que tenham executado serviços em regiões com ocorrência. Queremos conhecer o fluxo de máquinas no trânsito interestadual para poder prevenir também outras pragas”, destaca Diogo Antônio Deoti engenheiro-agrônomo da Cidasc.

Com informações do ND+

Notícias Relacionadas

Homens invadem casa, amarram família e agridem morador em Balneário Rincão

Os criminosos levaram dinheiro, celulares, um carro e uma motocicleta.

Concursos em SC: 16 editais encerram inscrições esta semana; salários chegam a R$ 22 mil

Em Orleans, há 18 vagas de níveis alfabetizado, fundamental, médio e superior, e salário de até R$ 9.684,77.

Colisão seguida de capotamento é registrada na SC-108, em Urussanga

A condutora do veículo que capotou, de 20 anos, foi conduzida ao hospital; os outros dois ocupantes dos veículos envolvidos não se feriram.

Chuva deixa comunidade isolada e arrasta carro com pai e filha dentro, em Garopaba

O caso ocorreu quando o condutor da caminhonete tentou atravessar uma pequena ponte sobre o Rio Encantada próximo, próximo à cachoeira.