Geral

Casan é condenada a pagar R$ 3 mil para moradora de Florianópolis por falta de água recorrente

Empresa afirmou que inclinação da rua da moradora prejudicava abastecimento

Divulgação

Uma moradora de Florianópolis deverá ser indenizada em R$ 3 mil pela Casan por sofrer com falta de abastecimento de água recorrentemente desde 2020. A Justiça entendeu que os problemas deixaram de ser um “mero aborrecimento” e passaram a configurar um dano moral. A empresa disse não concordar e que irá recorrer.

A sentença judicial que determinou a indenização afirma que a moradora demonstrou de forma incontestável ter sofrido com falta de água em dias variados no período, sem poder utilizar torneiras, caixas de descarga e chuveiros na residência, por exemplo.

A Casan argumentou no processo que a inclinação da rua da moradora desfavorece o abastecimento de água. Além disso, a juíza Alessandra Meneghetti, da 2ª Vara Cível da comarca da Capital, reconheceu que a empresa instalou um aparelho para melhorar a pressão de água no local. No entanto, o melhor fluxo só ocorre agora de madrugada.

“É dever da ré tomar as providências necessárias para levar a água até a residência da autora, independentemente de estar localizada em área íngreme”, escreveu a juíza.

O valor da indenização será acrescido de juros e correção monetária até que seja pago. A Casan ainda irá, no entanto, recorrer da decisão em primeira instância, uma vez que mantém a constestação à versão da moradora.

“A Companhia reconhece que existiu um episódio isolado de desabastecimento, ainda assim, intermitente, o qual foi prontamente restabelecido”, escreveu, em nota.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Ministério viabiliza reajuste de salário para agentes de saúde

Eles passarão a ganhar R$ 2.424,00

SESI inicia aulas de robótica de alto desempenho em parceria com o município de Criciúma

Cerca de 20 alunos, de 14 escolas municipais, estão participando da oficina

Mulher será indenizada após vestido arrebentar em baile e praticamente deixar ‘seio à mostra’, decide TJSC

Ação foi movida contra loja contratada. Segundo a Justiça, a alça da peça arrebentou e causou constrangimento. A sentença foi divulgada na quinta-feira e cabe recurso.

Noite de confraternização coroa o sucesso da primeira turma do PGVE realizado pela ACIO

Capacitação proporcionou o conhecimento necessário para 50 empreendedores alavancarem os resultados dos seus negócios.