Geral

Catarinense vai gastar menos no Natal por conta de inflação e queda na renda, diz pesquisa

Levantamento da Fecomércio apontou que catarinenses devem gastar menos de R$ 450 em presentes; em contrapartida, vendas na internet disparam

Divulgação

Os consumidores catarinenses devem gastar menos nas compras de Natal em 2021. É o que aponta uma pesquisa divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio). Para especialistas, a escolha por diminuir os gastos é reflexo da redução do poder de compra e da inflação.

O levantamento foi realizado entre os dias 4 e 25 de novembro em sete dos maiores municípios do Estado: Chapecó, Lages, Florianópolis, Criciúma, Joinville, Itajaí e Blumenau.

Segundo a Fecomércio, para este Natal, os catarinenses têm a intenção de gastar, em média, R$ 434,36. O número é 3,9% menor do que em 2020 – R$ 451,77 – mas, segundo a entidade, ao considerar a inflação acumulada nos últimos 12 meses, a queda é ainda mais acentuada: 13,1%.

Para a federação, isto mostra o impacto da crise econômica, agravada pela pandemia da Covid-19.

— O consumidor vem mudando o seu hábito de compra desde o ano passado, em virtude da pandemia, e tem buscado se resguardar na hora da compra. O número, inclusive, é menor do que o preço gasto em 2019. Ou seja, há uma redução de um poder de compra, que está ligado à inflação — explica o economista da Fecomércio, Alison Fiuza.

Um dos pontos que ajuda a explicar a queda no valor é a situação das famílias entrevistadas. Segundo a pesquisa, 35,3% declaram que estão em um momento econômico pior do que em 2020. No ano passado, por exemplo, esse índice era de 22,4%. Por isso, a economista e professora da Univille, Jane Floriano, explica que essa tendência já era esperada.

— Sempre que há esse movimento de recessão e de crise, há uma tendência natural dos consumidores reduzirem o consumo. Primeiro, é por conta da perda de renda e depois devido à contenção de gastos, para evitar um endividamento — salienta.

Além disso, ela afirma que isso deverá ter um impacto negativo para o comércio. Isto porque, com o consumidor comprando menos, as lojas terão um retorno menor, já que elas dependem do volume de vendas.

Pesquisa é opção para consumidores

Por conta dos preços, o catarinense tem recorrido a uma prática simples para garantir a economia neste fim de ano: a pesquisa. Segundo a Fecomércio, 87,6% dos entrevistados alegaram que vão realizar pesquisa de preço antes de comprar algum produto neste Natal.

Entre eles, está o jornalista Matheus Petter. Ele conta que costuma pesquisar os preços dos produtos cerca de dois meses antes da compra.

— Eu sempre costumo fazer pesquisa de preço antes, não somente, mas também para as compras de Natal. Geralmente, em outubro e novembro eu já tenho uma ideia dos presentes que pretendo dar e fico acompanhando os valores nos sites — explica.

O preço, inclusive, vem sendo o principal atrativo na hora da compra. Segundo Alison Fiuza, economista da Fecomércio, é possível perceber que os consumidores estão priorizando o valor e deixando o local e a qualidade em segundo plano na hora de escolher um produto.

A compra pela internet também se tornou uma opção entre os consumidores. De acordo com a pesquisa, 17,3% alegam que vão comprar o presente por meio de plataformas online. Em 2019, por exemplo, a intenção era de 5,4%. Para Fiuza, essa mudança de comportamento também está relacionada com a pandemia:

— Isso vem acontecendo desde o ano passado. Por conta da pandemia, os consumidores têm preferido fazer suas compras pela internet, devido à necessidade de permanecer em casa. Mas, ainda assim, o comércio de rua continua sendo o formato mais procurado.

Além disso, a economista Jane Floriano alega que a internet também permite que o consumidor possa aprofundar a pesquisa de preço sobre determinado produto.

— Esta é uma tendência sem retorno [a compra pela internet]. Pode ser que algumas pessoas ainda queiram ir nas lojas para ver a qualidade do produto, mas a internet trouxe uma facilidade. A possibilidade de você fazer a pesquisa e utilizar aqueles buscadores, em que você coloca o produto e o preço que você quer pagar, ajuda muito no seu dia a dia — pontua.

Black Friday antecipou compras de Natal

Outra mudança apontada pela pesquisa foi a data para a compra do produto de Natal. Isto porque muitos consumidores têm aproveitado as compras da Black Friday para garantir os presentes. Matheus Petter conta que foi um deles:

— Inicialmente, eu não pretendia fazer compras durante a Black Friday, com o objetivo realmente de economizar neste fim de ano. Porém, eu já tinha algumas ideias de presentes de Natal que compraria para minha família e amigos mais perto da data. Com a semana da Black Friday, coincidiu que encontrei alguns dos presentes com descontos de 20% a 50%.

De acordo com a Fecomércio, 16% dos consumidores haviam relatado que adiantariam as compras de Natal durante a Black Friday. Mesmo assim, Alison Fiuza, economista da Fecomércio, acredita que isso não deve afetar a representatividade que o Natal tem para o comércio.

— O preço menor [na Black Friday] não faz com que o Natal tenha uma procura menor. Mesmo com essas promoções, a data pode continuar tendo a mesma representatividade para o comércio, principalmente por conta da circulação do décimo terceiro — diz Fiuza.

Lista pode ser opção para garantir o presente

O economista Alison Fiuza traz, ainda, algumas dicas de como garantir o presente para a família com economia:

— O primeiro passo é fazer uma lista de quais são esses produtos e presentes que você gostaria de adquirir e definir um preço máximo. Depois, a dica é fazer a pesquisa de preço. Se for comprar com dinheiro, à vista, também é importante tentar negociar com o comerciante. Lembrando que é preciso ter cautela para não comprometer o orçamento do próximo ano.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Servidores querem ter a opção de trabalho remoto, diz pesquisa

O estudo foi realizado pela Enap com 42.793 funcionários

Negros são maioria dos mortos pela polícia em 5 estados, diz pesquisa

Com 97%, Bahia registrou maior percentual no ano passado

Maioria dos catarinenses vai optar por viagens de Natal para cidades de SC, diz pesquisa

Segundo dados da Fecomércio, mesmo em 2020, as viagens de catarinenses dentro do Estado foram o que ajudou o turismo a passar pelo período de maiores restrições na pandemia

Jovem é arrastado por 90 metros após acidente na BR-470 e motorista foge

PRF conseguiu identificar o condutor do carro e caso será enviado à Polícia Civil para abertura de inquérito