Educação

Cidadania não tem idade

"Mas afinal, o que é cidadania?", reflete a professora Ana Maria Dalsasso em sua coluna desta quarta-feira (03).

Foto: Jackson Romanelli/EM/D.A Press

Outro dia acompanhei um trabalho de adolescentes num colégio particular da região quando discutiam um tema extremamente interessante e intrigante: “cidadania não tem idade”.

Digo interessante e intrigante porque ultimamente em nosso país parece-me que cidadania é algo que está apenas na teoria, considerando os desmandos e o desrespeito para com o povo e a nação brasileira oriundos da classe política, com os quais já nos acostumamos, e agora também daqueles que deveriam zelar pela soberania da pátria: ministros e juízes, nos quais mantínhamos a esperança de justiça.

Mas afinal, o que é cidadania? Será que todos sabem? Será que a atitude de nossos representantes públicos e a justiça brasileira estão agindo dentro dos princípios cidadãos? Ou estão defendendo interesses escusos?

Cidadania vai além do direito de votar e ser votado

A verdadeira cidadania está presente no cidadão desde o seu nascimento, pois a partir de então, por lei, lhe é assegurado o direito à vida digna com saúde, segurança, educação, liberdade, trabalho justo, muito embora a sociedade atual venha deixando a desejar pela falta de responsabilidade de nossos governantes e pela corrupção que se instalou no país. Mas, é no seio familiar que se inicia a educação para o exercício da verdadeira cidadania.

Foto: Divulgação

Falar de cidadania é falar dos direitos e deveres inerentes a todo indivíduo que vive em sociedade e com ela tem o compromisso de contribuir para seu crescimento, desenvolvimento e bem-estar, pois o verdadeiro cidadão é aquele que age ativamente ultrapassando barreiras, desafiando o novo, fazendo com que as coisas aconteçam, promovendo o crescimento do meio em que vive.

O cidadão tem de ser ativo na comunidade onde vive

Todo indivíduo tem direitos e deveres estabelecidos na constituição do país, e viver de acordo com as normas estabelecidas é condição indispensável para o verdadeiro exercício da cidadania, mas além de boa conduta na observância às normas, o cidadão tem de ser ativo na comunidade onde vive, participando para seu desenvolvimento, fazendo a diferença, motivando outros, ensinando, agindo coletivamente.

A verdadeira cidadania é alcançada pelo exemplo, pela atitude, pela motivação, indo além do senso comum, buscando sempre o novo. É agir sempre pensando no coletivo visando o bem comum, consciente de que o mundo real, na maioria das vezes, é bem distante do ideal, mas é a persistência, o comprometimento, a atitude, o espírito cidadão que tem o poder de transformação social.

Foto: Arquivo/Casa Guido

Cidadania vai além do direito de votar e ser votado, pois implica em trabalhar para a construção de uma nova sociedade, promover mudança de mentalidade, sempre buscando seus direitos, mas cumprindo fielmente seus deveres de acordo com as normas constitucionais, lembrando que é compromisso da educação de um país preparar o cidadão para o verdadeiro exercício da cidadania.

Assim sendo, é preciso ter em mente que para exercer dignamente sua cidadania todo cidadão tem de ser ético, isto é, viver os valores morais como: caráter, integridade, honestidade, normas de conduta ideal para toda sociedade justa e humanitária.

Que todas as escolas cumpram sua missão na formação de nossos jovens, a exemplo da escola citada no início do texto, porque se elas não o fizerem, não esperemos que outros, além da família, o façam.

Notícias Relacionadas

Morador de Laguna faz melhorias em rua

População de Criciúma ganhará Espaço de Cidadania neste sábado

Angeloni realizará Espaço de Cidadania neste sábado, em Tubarão

Criciúma inicia participação no Parajasc 2019

Delegação do município tem mais de 50 integrantes e participará da competição até o próximo sábado (19).