Saúde

Cirurgia realizada pelo presidente Bolsonaro é inviável pelo SUS

Conforme o diretor-administrativo, Júlio César De Luca, pelos R$ 650,09 provenientes SUS há dificuldade de encontrar profissionais.

Foto: Divulgação/Lucas Lemos

Os custos para a retirada da bolsa de colostomia, como realizado no presidente Jair Bolsonaro, tornam o procedimento atualmente inviável pelo Sistema Único de Saúde.

O Hospital São Donato de Içara chegou a fazer um levantamento. E conforme o diretor-administrativo, Júlio César De Luca, pelos R$ 650,09 provenientes SUS há dificuldade de encontrar profissionais. Além disso, o recurso não cobre os custos da instituição.

Do total oferecido pelo SUS, R$ 503,40 são para as despesas do hospital com instrumentos, equipamentos e a internação dos pacientes. Outros R$ 102,69 são para o cirurgião e R$ 44 ao anestesista. “É preciso divulgar para que isso chegue até as autoridades, inclusive ao presidente. Desejamos que ele melhore rápido. Mas há milhares de pessoas que necessitam do procedimento e não tem as mesmas condições”, indica.

A colostomia é realizada para desviar o conteúdo intestinal para uma bolsa externa. O procedimento pode ser definitivo, no caso da amputação do reto ou for necessário ressecar todo o intestino grosso e o reto.

O uso também pode ser temporário. Isto ocorre devido a um trauma, diverticulite, tratamento de tumor colo-retal ou obstrução do intestino. Ao todo, Bolsonaro utilizou a bolsa por cinco meses devido ao ataque com faca sofrido em setembro de 2018.

Colaboração: Lucas Lemos – Jornalista

Notícias Relacionadas

Secretaria de Saúde de Criciúma reforça chamado de gestantes, puérperas e crianças para vacinação contra influenza

Agentes Comunitários de Saúde visitarão as residências para monitoramento e intensificação de informações por causa da baixa adesão à campanha nacional

Em Laguna, governador autoriza emissário terrestre para a praia do Mar Grosso e libera recursos para hospital

A projeção da Casan é que o empreendimento fique pronto em janeiro de 2020. O emissário é uma rede de 2.718 metros de extensão e diâmetro de 315 milímetros, com tubos de polietileno.

Estado e município de Laguna indenizarão homem que ficou cego por demora em cirurgia​

Um homem de 60 anos perdeu sua visão e será indenizado em R$ 150 mil pelo Estado e pelo município de Laguna.

Justiça confirma resultado de licitação que gerou economia de R$ 12 milhões pela Saúde do Estado

A licitação foi realizada pela Secretaria da Saúde para fornecimento de ventilação domiciliar e tratamento de oxigenoterapia a pacientes catarinenses.