Geral

Cocal do Sul adere a campanha “Faça Bonito” em alusão ao abuso sexual infanto-juvenil

O dia 18 de maio é uma data instituída para refletir e debater o assunto e chamar a atenção da população quanto ao tema

Divulgação

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), regulamentado pela Lei Federal nº 8.069/1990, é o principal marco legal e regulatório dos direitos das crianças e dos adolescentes no Brasil. Mas apesar de o ECA ser definido como uma lei que dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente, há 31 anos, ainda assim é comum casos de violação infanto-juvenil, além de abuso e exploração sexual. Pensando em refletir e debater esse assunto, o dia 18 de maio foi instituído como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes.

Dessa forma, esse mês também é conhecido como Maio Laranja, no qual são desenvolvidas diversas ações acerca do tema. Em Cocal do Sul não é diferente – por iniciativa da Secretaria de Assistência Social do município, a campanha “Faça Bonito”, em alusão ao 18 de maio, irá acontecer na cidade com o objetivo de levar informação e conhecimento às pessoas, em especial às crianças e adolescentes.

Ações no município

A coordenadora da Secretaria de Assistência Social do Município, Patrícia De Lucca, explica que em Cocal do Sul estão sendo distribuídos cartazes informativos em todas as escolas e também serão colocadas flores amarelas, que são o símbolo da campanha “Faça Bonito”, em alguns pontos da cidade, como em frente à Prefeitura Municipal.

“Decoramos toda a cidade com as flores que são o símbolo da campanha Faça Bonito, a fim de conscientizar toda a população sobre a importância do combate à violência sexual de crianças e adolescentes, além da distribuição de cartazes nos pontos de atendimento da Assistência Social, Saúde, Educação, Segurança Pública e entre outros, e estamos trabalhando também com as crianças do serviço de convivência com materiais reciclados, com desenhos e cartazes”, explica Patrícia.

Entenda a data

A data é alusiva ao crime ocorrido em 18 de maio de 1973, conhecido como Caso Araceli, na cidade de Vitória (ES). A menina Araceli Cabrera Sánchez Crespo, de oito anos, foi sequestrada, drogada, espancada, estuprada e morta por membros de tradicionais e influentes famílias do Espírito Santo. A partir de 2000, por meio da Lei 9.970, o 18 de maio foi instituído como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Danos mentais e físicos

Estudos apontam que a maioria dos casos de abuso sexual em crianças e adolescentes ocorrem com pessoas muito próximas (pessoas que tenham intimidade com a vítima) e na minoria das vezes acontece com um estranho. Segundo a psicóloga do Centro de Referência Especializado de Assistência Socia (Creas), Luciana Gerônimo, em muitos casos o abusador é alguém da família ou até mesmo um amigo muito próximo, que abusam tanto de meninas quanto de meninos.

“Geralmente essas pessoas seduzem a criança e muitas vezes o caso nem é percebido como abuso, principalmente se a criança for muito pequena, por isso a importância de campanhas como essa para orientá-las desde pequenas em relação aos carinhos que podem e que não podem”, comenta a psicóloga.

O grande desafio de quem acaba passando por esse tipo de violência é ter coragem para contar. “Os adultos, muitas vezes, não percebem os sinais que as crianças apresentam na escola e dentro de casa, como a perda de sono, falta de apetite, isolamento, dificuldades escolares, entre outros sinais”, detalha a psicóloga. Segundo ela, os sinais podem continuar sendo dados durante anos até que se consiga verbalizar.

Ela afirma que o sofrimento da criança e do adolescente trará consequências para sua vida adulta. “Há chances de se perder a própria identidade em função do sofrimento; já tivemos casos de adolescentes que fizeram escolhas sexuais diferentes em função de um abuso sexual”, comenta Luciana.

Como buscar ajuda

O Creas é o lugar em que as famílias e, claro, as crianças e adolescentes que passam por essa situação pode buscar ajuda e denunciar o abusador. E mais do que isso – há profissionais preparados para dar assistência, orientação e auxílio mental às vítimas. Existem trabalhos feitos para orientar as famílias quanto aos sinais que as crianças apresentam, para que todos possam estar atentos para fazer a denúncia.

“Nós trabalhamos no Creas a superação desse sentimento que ficou para a criança, para que ela possa se reencontrar com a sua essência, com a pessoa que ela era antes do abuso, e que possa voltar a viver, muitas crianças chegam para nós emocionalmente destruídas, sem brilho no olhar”, pontua a psicóloga.

As denúncias podem ser feitas pelo telefone 100 ou também pelo 3444-6034 (Creas de Cocal do Sul). Além disso, as pessoas podem buscar ajuda presencialmente no Creas, que fica localizado na Rua Voluntário da Pátria, no Centro de Cocal do Sul. O horário de atendimento é das 07h30 às 12h e das 13h às 16h30.

Notícias Relacionadas

Pessoas com 54 e 55 anos serão vacinadas contra Covid-19, em São Ludgero

Durante a vacinação contra Covid-19 as Secretarias de Assistência Social e Saúde estão realizando a campanha “Vacina contra Fome”.

Criança é flagrada dirigindo veículo na Estrada Geral do Rio Novo, em Orleans

A criança foi abordada junto com seu avô, que estava no banco do carona

Mais três unidades de saúde passam por reformas em Morro da Fumaça

São cinco as estruturas que recebem por melhorias nos últimos dois anos

Criciúma vence e assume vice-liderança da Série C

Hygor e Dudu marcaram os gols da vitória do Tigre por 2 a 1 sobre o Ypiranga