Educação

Colégio Satc inicia transição de alunos para novas séries

Desafios e mudanças para os alunos que passam para o Ensino Fundamental são monitorados pelo corpo pedagógico

Divulgação

Mudar do Ensino Infantil para o Ensino Fundamental Anos Iniciais e, depois, para os Anos Finais, podem ser bem confuso na cabeça da criança. São muitas mudanças. Pedagógicas, de turma, avaliações e até de professores. Para amenizar esse impacto essa transição é acompanhada de perto pelo corpo pedagógico do Colégio Satc. Tanto crianças como pais precisam estar preparados para essas novas fases.

Na transição do Ensino Infantil para o Fundamental, as crianças de seis anos começam com disciplinas da base curricular, além de matérias específicas como Tecnologias Aplicadas e o componente Pilares para a Vida. “Um projeto diferenciado com objetivo maior voltado à preparação para a vida, abordando temas voltados às competências socioemocionais, Educação financeira/Empreendedorismo e Profissão, além de ofertamos aulas nos componentes de Inglês, Arte, Educação Física e Tecnologias Aplicadas”, conta a coordenadora de Ensino dos anos iniciais, Sandra Marcon.

Todo processo também deve ser acompanhado de perto pelos pais, já que os horários mudam e a rotina da criança fica alterada. “A transição é importante para que as crianças e os pais sintam-se acolhidos e seguros para a mudança de nível de ensino e entendam que o processo de alfabetização é contínuo até o 2º ano. Nossa intenção é mostrar que a metodologia de ensino do 1º ano dá ênfase a atividades lúdicas e promovendo o protagonismo do aluno na sistematização do conhecimento”, explica a coordenadora

Transição para os mais velhos

Além da transição para quem ingressa no 1º ano do Ensino Fundamental, os alunos mais velhos, que estão indo para o 6º ano também passam por mudanças. As aulas passam a ser pela manhã e começam a ter matérias mais específicas e mais de um professor. Mudanças que podem afetar tanto a vida acadêmica como a relação em casa.

“Na cabeça da criança acaba tendo uma confusão, pois cada professor tem um jeito de trabalhar. Elas já estão em processo de transição, com aulas que apresentam como será no próximo ano. Para que seja uma extensão do que já começamos esse ano, sem que tenha um rompimento. E os pais já estamos conversando agora, para que os pais entendam como é esse processo. Como a rotina de estudos muda, os hábitos mudam, o tempo de avaliação já é diferente. Os pais precisam apoiar com essa orientação e as orientadoras ajudam a preparar para essa mudança”, explica a coordenadora, Adriana Just Schmidt.

Todo processo de transição das séries iniciais e finais é acompanhado de perto pelo corpo pedagógico e pelas psicólogas do colégio “Todos precisam estar preparados para a mudança. Às vezes essas alterações podem somatizar com problemas em casa. Os pais precisam entender o processo, para poder entender a criança”, ressalta Adriana.

Notícias Relacionadas

Ex-prefeito de Criciúma é preso após perseguição policial

Márcio Burigo, posteriormente identificado, desobedeceu a ordem legal dos policiais e se evadiu por cerca de dois quilômetros

Filezão: diversos celulares são furtados durante o evento; organizador é notificado por conta da aglomeração

O evento reuniu milhares de pessoas.

Rayssa Leal e Lucas Rabelo são os campeões da etapa de Criciúma do STU National

Maranhense e cearense largam na frente no circuito brasileiro 2022, iniciando o ano como terminaram 2021: com título

Três mulheres ficam feridas em acidente no centro de Cocal do Sul

O acidente aconteceu na rua Edson Gaidzinski