Geral

Com a colheita do arroz, conheça a origem dos principais grãos da Kiarroz

Presente nas prateleiras de inúmeros supermercados, a marca da Fumacense Alimentos utiliza grãos cultivados no Sul do Brasil e em países vizinhos

Divulgação

Nos primeiros meses do ano, acontece a colheita de um alimento que tem espaço garantido no prato da maioria dos brasileiros: o arroz. Após ser plantado entre setembro e outubro e cultivado nos meses seguintes, chega o momento de o grão ser colhido e destinado às indústrias orizícolas. Essas, por sua vez, atuam para que o cereal seja beneficiado, embalado e esteja sempre disponível nas prateleiras dos supermercados.

Como no caso da Kiarroz, marca mais antiga e tradicional da Fumacense Alimentos, que produz o cereal nos tipos polido, parboilizado e integral. Com matriz em Morro da Fumaça (SC) e outras unidades em Alegrete (RS) e Pombos (PE), em sua maioria, a matéria-prima da empresa provém do Rio Grande do Sul.

“No entanto, também adquirimos o alimento das produções de Santa Catarina e, até mesmo em alguns casos, importamos grãos do Paraguai e Uruguai”, explica o gerente de suprimentos da Fumacense Alimentos, Gilberto de Moliner Teixeira.

Expectativa

A expectativa é boa para a monosafra de 2022, o que deixa os consumidores mais tranquilos, já que não deverá faltar arroz na mesa dos brasileiros. Para se ter uma ideia da proporção dessa produção, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a colheita atinja 10,57 milhões de toneladas neste ano.

“É que mesmo tendo uma redução na produção no estado gaúcho por conta de questões climáticas, em Santa Catarina o tempo colaborou para um bom desenvolvimento das lavouras”, confirma o gerente de suprimentos da Fumacense Alimentos.

Qualidade

Além de utilizar alguns insumos de forma correta – como adubo, ureia e defensivos agrícolas –, a presença de luz e água da maneira adequada também impacta diretamente na qualidade do cereal. “E como de costume, com o intuito de manter o nosso alto padrão de entrega do produto final, os grãos da Kiarroz sempre passam por uma análise técnica criteriosa”, aponta Teixeira.

Negociação com produtores

Entre fevereiro e abril, os produtores veem todo o esforço valer a pena, quando extraem da terra o grão que levou, em média, seis meses de cuidado diário. E a Fumacense Alimentos já está em negociação com agricultores rurais que desejem vender ou depositar o cereal na indústria.

O produtor que queira comercializar sua safra com a empresa deve entrar em contato pelo telefone (48) 3434-8888 ou e-mail: [email protected] Além disso, mais informações podem ser obtidas no site www.fumacensealimentos.com.br.

Sobre a Kiarroz

Presente em inúmeros estados e comercializada em milhares de pontos de venda em todo o Brasil, a marca Kiarroz é pioneira e a mais antiga da Fumacense Alimentos. Nas últimas cinco décadas, grande parte da trajetória de sucesso da empresa é creditada à marca, que possui renome nacional e, nos últimos anos, foi reconhecida com inúmeras premiações.

Surgindo junto com a empresa em 1970, a marca oferece o arroz na versão polido, parboilizado integral e parboilizada polido. Além disso, a Kiarroz também dispõe de farinhas à base do cereal nas versões tradicional e integral, indicadas para pessoas com intolerância ao glúten.

Juntamente com o Criciúma Shopping, a Mark At Place e a JS Empreendimentos, a Fumacense Alimentos – com as marcas Kiarroz e RisoVita – faz parte do Grupo EZOS, um grupo econômico lançado em 2020 com um sistema de gestão inovador, por conta da criação do primeiro Centro de Serviços Compartilhados do Sul catarinense.

Notícias Relacionadas

Cidade de SC lança cartilha de saúde em idioma do Haiti para atender os mais de 300 imigrantes

Objetivo do material é facilitar a comunicação entre esse grupo e os profissionais da áre da saúde

SC tem menor taxa de desemprego do país no 1º trimestre de 2022, segundo IBGE

Taxa de desemprego no Estado foi de 4,5%, menos da metade do dado médio nacional que foi de 11,1%

Trio é suspeito de matar homem a tiros e facadas em SC

Crime ocorreu no interior de Itaiópolis, na noite de domingo (15)

Turismo nacional avança mais de 75% em março na comparação com 2021

Dados do Índice de Atividades Turísticas do Brasil reforçam as perspectivas de recuperação do setor