Geral

Coronavírus em SC: Decretos que estabelecem regras para funcionamento de hotéis e realização de eventos sociais voltam a valer no Estado

A decisão foi publicada na noite desta terça-feira, 29.

Divulgação

O desembargador Raulino Jacó Bruning, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), suspendeu a liminar que impedia o funcionamento dos hotéis e a realização de eventos sociais, mesmo com regramento sanitário em Santa Catarina. A decisão foi publicada na noite desta terça-feira, 29.

No documento, o magistrado determina o restabelecimento da eficácia dos Decretos 1.003/2020 e 1.027/2020. As normas flexibilizaram as regras sanitárias relacionadas à pandemia de Covid-19 e, a partir da suspensão da liminar do juiz de primeiro grau, os hotéis – mesmo os localizados em cidades classificadas como de risco potencial gravíssimo pela Matriz Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (SES) – podem operar com 100% da capacidade. Eventos sociais também estão permitidos, desde que observadas as orientações de saúde estipuladas pelos técnicos do Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes) de Santa Catarina.

A decisão afirma que mesmo que não se desconheça “o crítico momento que o Brasil e outros países estão atravessando neste final de ano”, o Poder Judiciário só pode interferir nas opções políticas fundamentais “em situações excepcionais”. Para o desembargador, “compete precipuamente ao Poder Executivo fazer escolhas e eleger prioridades que assegurem o desenvolvimento e o funcionamento integral das múltiplas atividades do Estado”.

O despacho publicado nesta terça-feira considerou os argumentos da Procuradoria-Geral do Estado (PGE/SC) que, entre outros pontos, destacou que as decisões do Governo foram embasadas em critérios técnicos para garantir a liberdade social e econômica dos catarinenses.

“Os Decretos estaduais não repercutem no agravamento da pandemia, mas sim facilitam a fiscalização do Estado e a observância dos critérios de segurança estabelecidos, afastando-se eventual clandestinidade de hospedagem e de eventos. Os turistas, evidentemente em menor proporção que nos anos anteriores, virão para Santa Catarina. É um fato. Por isso, mostra-se necessário o regramento imposto pelo Executivo”, afirma o desembargador na decisão.

Para o procurador-geral do Estado, Alisson de Bom de Souza, a suspensão da liminar da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Florianópolis confere segurança jurídica ao Governo. “A Justiça entendeu o que sempre defendemos: que cabe ao gestor ponderar todos os interesses legítimos a fim de compatibilizar a maior medida da proteção à saúde com o desempenho da atividade econômica, com respeito à vida, à atividade profissional e à necessidade de sustento das pessoas em suas diversas atividades”, diz.

Notícias Relacionadas

Criminosos carneiam vaca prenhe em propriedade de Lauro Müller

O animal, que pesava por volta de 390 quilos, foi abatido no local e toda a carne foi levada.

Celebre com o Blume Motel: reserve uma suíte decorada e ganhe um espumante

Em comemoração ao aniversário de um ano, durante o mês de junho, as reservas com decoração especial entre segunda e quinta-feira ganham de brinde um espumante Moscatel Rosé.

Candidatas à Rainha da VIII Cocalfest se reúnem em primeiro encontro

As meninas se reuniram no sábado (19) em um café com os jurados para se conhecerem e conhecerem como irá funcionar a edição deste ano

Covid-19: Consequências cerebrais devem ser observadas, alerta neurocirurgião

Após contrair o vírus várias pessoas relatam desde queda de cabelo, cansaço, passando por dores de cabeça frequentes, diminuição da capacidade de raciocínio, de memória, entre outros tipos de sequelas e sintomas, alguns duradouros e persistentes