Saúde

Covid-19: um em cada quatro jovens no mundo tem sintomas de depressão

Estudo é da Universidade de Calgary, no Canadá

Divulgação

Estudo feito pela Universidade de Calgary, no Canadá, estima que um em cada quatro jovens tem sintomas de depressão elevados e um em cada cinco apresenta sintomas de ansiedade devido à pandemia de covid-19.

O trabalho, uma metanálise de 29 estudos em que participaram 80.879 jovens de várias regiões do mundo, foi publicado na revista científica JAMA Pediatrics.

Em comunicado, a universidade destaca que os sintomas de depressão e ansiedade duplicaram nas crianças e adolescentes devido à pandemia.

Segundo a metanálise, que incorpora estudos da Ásia Central, Europa, Médio Oriente e das Américas do Norte, Central e Sul, são as meninas e os jovens mais velhos quem demonstram níveis mais elevados de depressão e ansiedade.

“Estar socialmente isolado, afastado dos amigos, das rotinas escolares e das interações sociais revelou ser muito duro para as crianças”, disse uma das autoras do estudo, Sheri Madigan, citada pela agência Efe, acrescentando que os índices de ansiedade e depressão aumentam quando são impostas mais restrições.

Outra autora, Nicole Racine, salientou que o “apoio social” dado aos jovens pelos amigos “diminuiu em grande medida ou, em alguns casos, faltou por completo durante a pandemia”, devido aos confinamentos prolongados.

“Esses jovens não imaginavam que, quando se formassem, chegariam a despedir-se da sua escola, dos seus professores ou amigos, e há um processo de luto associado a isso”, observou a psicóloga.

As pesquisadoras pedem mais apoio para a saúde mental de crianças e adolescentes em momentos críticos como de uma pandemia.

Com informações da Agência Brasil

Notícias Relacionadas

Homem morre esmagado por trator em SC

Máquina sofreu empinamento e prensou a vítima entre o trator e uma árvore que estava sendo arrastada

Menino de 9 anos morre após bicicleta ficar prensada entre veículos em SC

Garoto chegou a ser levado ao hospital, mas não resistiu

Centro de Reabilitação Cardiopulmonar Pós-Covid completa um ano com números positivos em Criciúma

Em 12 meses, foram mais de mil pacientes, sendo que 310 receberam alta. Além disso, o centro contou com mais de 53,3 mil procedimentos realizados

Fundação Cultural de Criciúma estende Primavera dos Museus

Exposição, no Memorial Casa do Agente Ferroviário Mario Ghisi, ficará acessível até o fim do ano