Geral

Criciúma: Égua sofre maus-tratos e mobiliza entidades e protetores

Animal vive em condições deploráveis, desnutrido e sem alimentação. Se quadro se estender, veterinário da Famcri aplicará eutanásia. Proprietário será autuado pelo crime.

Divulgação

Um caso lamentável de maus-tratos foi registrado no bairro Santo Antônio, em Criciúma. Uma égua, que recém gerou um potrinho e está em fase de lactação, foi encontrada em situação de abandono e desnutrida. Apesar do estado deplorável em que foi submetida, ela tem um proprietário, mas vivia em um terreno “emprestado” na localidade. A falta de alimentação, água e o calor excessivo das últimas semanas foram agravantes. O crime chamou atenção e mobilizou autoridades e protetores de animais da região.

Na terça-feira, a reportagem do Jornal Tribuna de Notícias esteve na região do bairro Santo Antônio. Lá estava o animal, agonizando, com o filhote ao lado. Embaixo do sol quente e em condições visíveis de maus-tratos, a Fundação do Meio Ambiente de Criciúma (Famcri), após receber denúncias, enviou um fiscal para avaliar a situação. “Quando eu vim já imaginei de quem era. Eu conheço pelas ocorrências em geral. Ela (égua) está muito fraca e amamentando, mas ela já veio debilitada, estava magra, além disso, o calor contribuiu. O dono comprou o cavalinho e a água veio junto para amamentar”, explica o profissional da fundação, Vilmar Gomes.

Na ocasião, o fiscal relatou que o animal receberia soro para aumentar o nível de nutrição, mas embora estivesse em situação grave, não foi encaminhado a nenhum local especializado. A justificativa é que não haveria transporte no momento. Ontem, após alguns protetores se unirem e cobrarem medidas mais efetivas, a veterinária do Núcleo de Bem-Estar Animal (NBEA) esteve na propriedade. No período da tarde, outro profissional seguiu monitorando o caso. ”Eu não sei do histórico, mas sei que encontrei um animal extremamente caquético, desnutrido e, para piorar um pouco, em lactação, com um potrinho mamando”, relata o médico veterinário da Famcri, Vilson Cardoso.

Ainda conforme o profissional, “a égua vai evoluir para o óbito em função da lactação, é muito difícil sair dessa situação”. O veterinário ainda destaca que neste caso, o calor excessivo dos últimos dias foi um fator mínimo perante a situação que a égua, que veio de Balneário Arroio do Silva, foi encontrada. “Ela chegou nesse estado pela gestação, falta de alimentação adequada, uma perda absurda no parto e parece que estava em um ambiente sem alimentação nenhuma”, acrescenta Cardoso.

Animal quase em coma

O estado da égua pode ser considerado como semicomatoso, ou seja, quase em coma. “Morrer de fome é uma das piores mortes, porque ela é lenta”, lamenta o veterinário. Até ontem, o que motivava a força para ficar em pé, era o instinto materno. “Ela só ficou dessa forma até agora, porque ela tinha o bebê para cuidar, a natureza se encarrega disso”, completa.

Recebendo soro para “aliviar” a situação, a égua será monitorada dentro dos próximos dias, se persistir o quadro de saúde durante esta quinta-feira, a Famcri irá optar pela aplicação da eutanásia e evitará que o animal sofra por mais tempo.

Potrinho pode morrer se não receber amamentação

O potrinho, que tem cerca de 20 dias, não nasceu naquela localidade. A lactação do filhote deve seguir até os seis meses de vida e, com a égua prestes a vir a óbito, ele precisa de maior cuidado e atenção. “Durante esse período, o animal precisa receber leite e suplemento, senão, ele pode evoluir para o óbito porque vai ficar desnutrido”, explica o veterinário.

Embora o filhote tenha um proprietário, com o histórico de maus tratos registrado com a mãe, o município, através da Famcri, poderá intervir. “Esse caso é algo que suplanta a propriedade. O município, sem dúvida, interviria. O animal já se encontra em um estado de abandono. Vamos acompanhar se ele está sendo tratado de forma adequada, se não estiver, a gente recolhe”, frisa Cardoso.

Atendimento da Famcri gera indignação

A ativista ambiental de Criciúma e membro do Conselho de Defesa do Meio Ambiente, Zeta Machado, alega que há um reboque disponível para deslocamento de animais e caso este não esteja à disposição, a entidade deve alugar outro equipamento, como o caso da égua, que poderia ter recebido o tratamento em um local adequado para a demanda. “A Famcri é obrigada a alugar e pagar, porque tem recursos para isso dentro dos fundos da fundação para transportar esses animais para o abrigo no Centro de Controle de Zooneses, que é destinado para esses casos”, relata.

Zeta ainda afirma que o abrigo no CCZ foi criado tanto para fazer o recolhimento de animais atropelados como para os que são vítimas de maus tratos, como é o caso da égua. “Eles devem receber tratamento e irem para a adoção. No caso dos cavalos, esse seria um dos principais objetivos”, acrescenta a ativista.

Ela ainda afirma que neste último caso registrado, houve uma falha da Famcri. “Eu vejo que a responsabilidade cai sobre o município e a Famcri é um braço de Criciúma, tem a entidade fiscalizadora responsável por isso. No caso da égua, isso não se faz, estou com isso atravessado. Liga, aluga, transporta o animal para o abrigo do CCZ, se não houvesse esse complexo, a Famcri seria obrigada a alugar um espaço qualquer e colocar o animal lá e acompanhar tudo para salvar o animal e, depois sim, ir atrás do infrator e encaminhar para o Ministério Público”, afirma.

Conforme as informações repassadas por Zeta, o atendimento deveria funcionar da seguinte forma: o caso é denunciado e comunicado à Famcri, que deve ir ver a situação e recolher o animal. “Independente se o dono é rico ou pobre, a função do órgão fiscalizador é essa, encaminhar ao abrigo, contratar o veterinário e tratar desse animal. Depois sim, vai em cima do dono, notifica, e ele vai responder pelo crime de maus tratos”, finaliza a ativista.

Punição

Durante a entrevista, a Famcri afirmou que o proprietário da égua e do potrinho, morador da localidade de Santo Antônio, será notificado e responderá pelo crime de maus-tratos aos animais.

A Lei 1.095/2019 é responsável por aplicar a punição a quem praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais. A legislação abrange animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos, incluindo, aí, cães e gatos, que acabam sendo os animais domésticos mais comuns e as principais vítimas desse tipo de crime. A nova lei cria um item específico para esses animais.

A prática de abuso e maus-tratos a animais será punida com pena de reclusão de dois a cinco anos, além de multa e a proibição de guarda. Atualmente, o crime de maus-tratos a animais consta no artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais 9.605/98 e a pena, antes da atualização, previa de três meses a um ano de reclusão, além de multa.

Com informações do site TNSul

Notícias Relacionadas

Famcri em parceria com voluntários resgata 40 animais com indícios de maus tratos em Criciúma

Ação com apoio da Policia Militar, Polícia Civil e ONGs Protetoras de Animais recolheu 37 cachorros e três gatos em residência no bairro Progresso

Polícia Militar de Sangão atende ocorrência de maus-tratos a animal doméstico

O responsável foi identificado e responderá a um Termo Circunstanciado

Cães são resgatados com sinais de maus-tratos em casa de morador de Orleans

Animais foram encontrados em galpão nos fundos de uma residência no bairro Nova Orleans. Um dos filhotes já estava morto.

Bebê vítima de agressão completa uma semana na UTI, em Tubarão