Geral

Criciúma no circuito nacional dos protestos pela educação

Manifestantes vão às ruas alertar contra o contingenciamento anunciado pelo Ministério da Educação.

Foto / Vídeo: Alexandre Back / Especial / 4oito

A paralisação de entidades de ensino superior ao longo destas quarta-feira, aliada a um protesto nacional que movimenta cidades de pelo menos vinte estados, marca a Greve Geral Nacional da Educação em contraponto ao contingenciamento de R$ 1,7 bilhão anunciado pelo Ministério da Educação, algo em torno de 24,8% das chamadas despesas discricionárias para manutenção de universidades federais e instituições afins, mantidas com recursos públicos.

O ato tem sua versão local em Criciúma, mobilizando manifestantes na Praça Nereu Ramos. Estudantes e integrantes de movimentos sociais se reuniram nesta manhã, carregando faixas e cartazes e entoando cantos em crítica à medida do governo Jair Bolsonaro. A iniciativa envolve, principalmente, alunos do campus Criciúma do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), também impactado pelos cortes.

O Sindicato dos Trabalhadores na Educação (Sinte-SC) se integrou ao movimento. A sindicalista Kelly Pacheco calcula que cerca de 80% das escolas estaduais da região não devem ter aulas nesta quarta em solidariedade à mobilização. O Sinte fará seu ato na praça a partir das 14h, mas com outra bandeira principal. “Partimos do debate sobre a reforma da Previdência, mas não deixaremos de lado outras pautas como esse corte de verbas da educação”, enfatizou.

Haverá protesto hoje também em Sombrio, organizado por alunos do Instituto Federal Catarinense (IFC) a partir das 13h30min na Avenida Getúlio Vargas.

Com informações do site 4oito

Notícias Relacionadas

Estacionamento e obra parada são alvos de protesto em Laguna

UniCesumar: melhor EAD do Brasil oferece cursos com desconto por tempo limitado em Orleans

São mais de 50 opções em cursos de graduação e pós-graduação, todos aprovados pelo MEC. Entre os mais procurados estão pedagogia, agronegócio e contabilidade.

Ato questiona negociação da Unisul

Postos já registram falta de gasolina e diesel, em Orleans e Lauro Müller