Geral

Criciúma: pedido é para ampliação de horários em bancos e lotéricas

Pedido será encaminhado nesta terça-feira (3) à Federação Brasileira de Bancos juntamente com imagens de filas e aglomerações em agências da cidade.

Divulgação

O Município de Criciúma irá encaminhar nesta terça-feira (4) uma solicitação à Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para que as agências bancárias e lotéricas ampliem seu horário de atendimento e ajudem a evitar a disseminação da Covid-19 no Município. A solicitação é justificada com arquivos de imagens que mostram filas e aglomerações em agências da cidade durante a pandemia. O pedido é para que o horário seja ampliado enquanto durar o Estado de Emergência em Saúde e Calamidade Pública no Brasil.

O pedido, assinado pelo prefeito, foi corroborado pelo secretário de Saúde, Acélio Casagrande. Segundo ele, as agências bancárias são serviços essenciais e ficaram na contramão quando diminuíram o tempo de atendimento. “Se tiver mais tempo com as portas abertas, a tendência é diminuir os agrupamentos e também a transmissão do vírus”, afirmou o secretário.

Com informações do site TNSul

Notícias Relacionadas

Balneário Gaivota amplia atendimento na saúde e emite decreto com medidas mais rígidas

Novo decreto entra em vigência a partir deste sábado (25)

Atendimento e atos jurisdicionais deverão seguir medidas preventivas no retorno gradual do Judiciário

O retorno gradual terá início no próximo dia 23 de setembro, limitado a 30% do quadro de pessoal do Judiciário.

Atendimento aos estudantes com atividades não presenciais alcança 97% da rede estadual de ensino

O relatório da Diretoria de Ensino da SED indica que 522.325, dos 537.584 alunos matriculados na rede, estão acessando as atividades remotas de forma virtual ou com os materiais impressos.

Levantamento mostra que 45% dos beneficiários do PIS/PASEP vão usar dinheiro extra para pagar dívidas em atraso

Para SPC Brasil, medida é importante para que o cidadão consiga sanar pendências e recuperar crédito no mercado. Cerca de14% dos brasileiros ainda não sabem se têm direito ao benefício