Segurança Pública

De delegado a pré-candidato a deputado estadual. Mas por quê?

Foto: Divulgação

Desde que me licenciei, no início do mês do cargo de presidente da Associação dos Delegados de Santa Catarina, a Adepol, para me lançar como pré-candidato a deputado estadual, tenho vivido experiências que cada vez mais comprovam a necessidade urgente de atitude, honestidade e renovação política.

O embrulho no estômago, resultado de intermináveis anos comandados pela corrupção, tem sido superado pelo apoio massivo da população que está acreditando que, apesar dos percalços, este é o ano de enfrentar a velha política – e todos que a ela representem. A Lava-Jato está aí para mostrar que as coisas estão mudando.

A decisão de minha pré-candidatura é fruto de uma construção pessoal com o apoio de muitas pessoas que ajudaram a formar meu caráter.

A vida dura, muito dura mesmo (digo isso sem demagogia), não me desanimou, mesmo tendo sido humilhado por não ter dinheiro ou uma casa de praia durante a infância e juventude. Pelo contrário, busquei forças e tracei um propósito: cursaria Direito e passaria no tão sonhado concurso para juiz, espelhando-me no amigo de escola de minha mãe, Dr. Eladio Torret Rocha, pessoa que teve uma vida ainda mais dura que a minha. Contudo, quis o destino que eu passasse no concurso para Delegado de Polícia e me apaixonasse pela profissão.

Comecei a exercer o novo trabalho durante o período de um mês na Delegacia da Criança, Adolescente e Proteção à Mulher e ao idoso. Em seguida fui atuar em Orleans, cidade que havia escolhido após o fim da Academia de Polícia. Lá, conheci várias pessoas, entre elas o amor da minha vida, Thayni da Silva Librelato.

Meu sogro, Lussa Librelaro, falecido no ano de 2013, com frequência me dizia que pessoas boas têm que entrar na política. Durante muito tempo não dei atenção especial ao assunto, porém, sempre refleti sobre, pois, no fundo, concordava, mas não me via fazendo parte desse mundo.

Passei por várias delegacias em Orleans, Criciúma e Araranguá. Fui Delegado Regional de Tubarão e, em 2015, me elegi presidente da Associação dos Delegados de Santa Catarina. Em 2017, fui reeleito por aclamação pelos colegas delegados da Adepol.

Um dos motivos que me levaram à pré-candidatura é porque quero estar no lado da mesa em que minhas ações e meus conhecimentos possam beneficiar mais gente. Todos nós precisamos falar de segurança. Se não tivermos Educação, não teremos futuro, se não tivermos Segurança, não teremos presente.

Não é cabível que seja mais fácil entrar em Santa Catarina com drogas e fuzis do que com uma peça de queijo. Isso porque atualmente há 73 barreiras sanitárias e nenhuma que fiscalize os que nos deixa à mercê da violência. Precisamos de pessoas que lutem para que agricultores, comerciantes, professores e todos que trabalham exerçam suas funções sem se preocupar com o dia de amanhã.

Sinto que tenho ferramentas para deixar um legado de mais segurança, mais educação, mais fomento à tecnologia, pelo fim da pesada carga tributária, por uma renovação política, pelo fim do auxílio moradia dos deputados, por mais eficiência e menos burocracia, por mais apoio ao transportador, por mais desenvolvimento para nossas cidades e por mais respeito aos direitos de quem realmente trabalha por Santa Catarina e aos que a querem bela e segura para todos.

Tudo isso motivado pelos aprendizados que tive em Turvo, onde nasci, em Orleans, onde resido, para estender este sentimento ao maior número de cidades possível em Santa Catarina, pois sei que muitas pessoas desejam o mesmo por todo estado.

Depois de ter me tornado pai da Maria Eduarda há pouco mais de um ano e diante das responsabilidades que isso exige, quero deixar um legado de mais ética para minha filha, para as filhas e filhos de todos que conviverão e convivem em nossa sociedade, em especial Santa Catarina, mãe de nossas cidades.

Há duas frases que me inspiram: “Vivemos com o que recebemos, mas marcamos a vida com o que damos”, de Churchill; e “É triste falhar na vida, porém, mais triste ainda, é não tentar vencer”, de Roosevelt.

Concordo com eles, por isso o desafio está mais uma vez lançado, com gratidão e respeito por todas as pessoas que estão juntas comigo neste caminho.

Nossas ideias de mudança continuarão a ser publicadas nas minhas redes sociais: no Instagram @delegadoulisses, Facebook/delegadoulissesgabriel ou ainda por WhatsApp (48) 99801-8300‬.

Desejo a nós saúde, força e união.

Notícias Relacionadas

Proprietário de lavação é preso por tráfico de drogas em Orleans

Na delegacia, o acusado confirmou que entregou 15 gramas de crack para o usuário em troca de um Fiat Uno com problemas mecânicos.

Novos nomes do PSD se reúnem para discutir ações para as eleições deste ano

Combustível exclusivo para a saúde e viaturas policiais chega a Morro da Fumaça

O Governo Municipal reforça que trabalha para garantir a manutenção dos serviços públicos essenciais e emergenciais.

Polícia Civil apreende pés de maconha em propriedade de Orleans

O proprietário do local ainda não foi localizado.