Geral

Débitos trabalhistas de empresa moveleira de Urussanga são pagos após oito anos de espera

O montante destinado aos 242 habilitados nesta categoria ultrapassa os R$ 2,8 milhões

Foto:Arquivo/Jornal Vanguarda

A espera de no mínimo oito anos pelo dinheiro devido chegou ao fim para os antigos funcionários da Móveis Pérola. A massa falida da antiga indústria moveleira sediada em Urussanga está próxima de finalizar os pagamentos da chamada Classe I de credores, na qual se enquadram os débitos trabalhistas. O montante destinado aos 242 habilitados nesta categoria ultrapassa os R$ 2,8 milhões.

Os pagamentos constituem uma vitória na série de desdobramentos de um processo iniciado em agosto de 2010, quando a Justiça decretou a falência da Móveis Pérola. Como determina a Lei de Falências e Recuperação Judicial (nº 11.101/05), a quitação dos débitos deve ser feita por classes de credores numa escala de prioridades iniciada pelos trabalhistas, explica o administrador judicial da massa falida, Agenor Daufenbach Júnior, da Gladius Consultoria.

“Esse grupo contempla dívidas com ex-funcionários, indenizações oriundas de processos trabalhistas, além de honorários de advogados e peritos judiciais que atuaram em processos envolvendo a empresa. A maior parte desses credores já recebeu. Ainda temos cerca de 60 pessoas aptas a serem pagas, porém não apresentaram documentações ou tem alguma inconsistência de dados cadastrais. Nesses casos recomendamos que procurem o advogado de confiança”, orienta.

Novo cenário

O processo de falência, a partir da sentença, constitui-se de três etapas: a venda dos ativos (o patrimônio da empresa), a organização do passivo (identificação e a classificação dos credores e a determinação dos valores de cada um) e por fim os pagamentos. Além de viabilizar os pagamentos, sobretudo dos trabalhadores, que recebem prioridade na ordem de recebimento, a venda do patrimônio das empresas falidas pressupõem a renovação, o início de um novo ciclo para aquele patrimônio, assinala Agenor.

“Em nossa região temos casos emblemáticos de negócios viabilizados a partir da compra de imóveis de massa falida, como as antigas cerâmicas De Luca e Vectra, cujos espaços hoje são ocupados por grandes e modernos parques industriais da Cerâmica Elizabeth e da Librelato Carrocerias. Seja para finalidade industrial ou qualquer outra, são patrimônios inativos que passam a ter possibilidade de atividade econômica”, ressalta.

Móveis Pérola

Com mais de 30 anos de atuação no mercado moveleiro, a Móveis Pérola começou a enfrentar sérios problemas financeiros na reta final do século passado. A empresa pediu concordata preventiva em maio de 2000 (antiga modalidade equivalente hoje à Recuperação Judicial), porém dez anos depois a Justiça sentenciou a falência em razão do avanço das dívidas e não cumprimento de compromissos. O processo tramita na 1ª Vara Cível de Urussanga, sob a condução da juíza Karen Guollo.

Com informações do Portal TV Litoral Sul

Notícias Relacionadas

Apoio ao candidato Vitorassi para eleição da Coorsel se intensifica durante reuniões com associados

Na noite de hoje (16), às 19h30min, os associados da comunidade de São Gabriel são convidados a participarem do encontro com os candidatos, em Treze de Maio.

Colisão frontal deixa dois em estado grave na SC-108, entre Orleans e Urussanga

Um dos motoristas ficou preso às ferragens e teve o carro cortado para ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros.

Confira 7 sugestões de presentes tecnológicos e acessórios de celulares para o Natal

VEJA VÍDEO - Os produtos são bastante procurados pelos clientes e estão disponíveis na LC Celulares de Cocal do Sul e Urussanga.

Jovem embriagado bate carro e dirige por 3 km com pneus estourados em Urussanga

Motorista de 19 anos colidiu antes em barranco na SC-445. Segundo a PMRv, ele tinha saído de uma festa onde passou a madrugada, momentos antes do acidente.