Política

Decisão de Gilmar Mendes devolve mandato a João Rodrigues

Rodrigues recebeu 67,9 mil votos ano passado, quando tentava o terceiro mandato como deputado federal

Divulgação/Arquivo/Câmara dos Deputados

João Rodrigues (PSD) deve reassumir o cargo de deputado federal. Um habeas corpus do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determina que seja suspensa a inelegibilidade do político catarinense até que a análise final do pedido de prescrição da pena que levou ao indeferimento de seu registro de candidatura ano passado.

Rodrigues recebeu 67,9 mil votos ano passado, quando tentava o terceiro mandato como deputado federal – ficando à frente de Ricardo Guidi (PSD), que perderia a cadeira com a decisão de Gilmar Mendes.

Rodrigues teve o registro indeferido na Justiça Eleitoral por causa da Lei Ficha Limpa. O pessedista foi condenado a cerca de cinco anos de prisão em regime semiaberto por causa de supostas irregularidades em uma licitação para compra de uma retroescavadeira quando era prefeito em exercício de Pinhalzinho, em 1999.

O caso chegou a levar o deputado à prisão em fevereiro do ano passado. Rodrigues alega que não houve dano aos cofres públicos na operação e que o caso já prescreveu.

Mendes entendeu que havia motivos para suspender a inelegibilidade até que o STF analise os argumentos da defesa do pessedista.

Com informações de NSC Total

Notícias Relacionadas

Prefeitura assume o sistema de água e esgoto de Morro da Fumaça

Com a carta de ordem expedida pelo TJ, o município vai comandar a gestão no lugar da Casan

Moreira abre mão e Mauro Mariani é o pré-candidato do MDB ao Governo

Decisão foi tomada em reunião da executiva do MDB na manhã desta segunda-feira (18) em Florianópolis.

Homem é condenado e preso por estupro de vulnerável em Cocal do Sul

O réu já havia sido condenado por atentado violento ao pudor contra criança e estava em liberdade, quando cometeu o crime de estupro.

Juiz de Braço do Norte abre mão de segunda vaga de assessor após readequação de unidades judiciárias 

Agora, Klauss Corrêa passa a responder somente pela Vara Criminal e Juizado Especial Criminal.