Saúde

Direção do hospital de Orleans esclarece sobre paralisação provisória de partos pelo SUS

Foto: Ketully Beltrame / Arquivo / Sul in Foco

O administrador da Fundação Hospitalar Santa Otília – FHSO, Fidelis Eyng, esclareceu a respeito da situação levantada pela vereadora de Orleans, Mirele Cruz Debiasi Périco, durante sessão ordinária realizada nesta segunda-feira (19).

Na oportunidade, ela se disse preocupada porque mulheres a procuraram para relatar que a fundação hospitalar não está mais realizando parto pelo Sistema Único de Saúde – SUS e que, no local, há um cartaz com os dizeres “estamos sem obstetra SUS por tempo indeterminado”.

Segundo Fidelis Eyng, a situação já está sendo resolvida. Ele explicou ainda o que levou a isso, enaltecendo que a decisão não é da direção do hospital. “O problema da falta de atendimento se dá porque os obstetras se negam a atender nos fins de semana com o valor pago atualmente de sobreaviso”, esclareceu.

Ele contou, inclusive, que, nessa segunda-feira, no mesmo horário em que ocorria a sessão da Câmara de Vereadores de Orleans, uma reunião estava sendo realizada com o prefeito Jorge Koch, entre as 19h e 21h. Conforme o gestor, a responsabilidade pelo pagamento é da Prefeitura de Orleans.

Já na noite desta terça-feira (20), mais uma reunião está agendada. Desta vez, também com os três obstetras que atendem na FHSO. “Não é motivo para alarde ou crítica. Não se pode fazer uma tempestade em copo d’água. A situação não está de fato oficializada até então. A decisão será tomada junto ao poder público. A responsabilidade não é da fundação hospitalar, mas sim do poder público, que está resolvendo isso conosco. Ainda nesta noite, uma posição definitiva será tomada”, afirmou.

A Administração Municipal também reforçou que, nesta noite, a reunião será realizada visando um acordo entre as partes envolvidas.

Notícias Relacionadas

Equipamento inédito que identifica dor e produzido com apoio do Governo de SC é apresentado em Brasília

Através de um software e tecnologia avançada, o ReitzScan identifica, avalia e quantifica a dor em três estágios: suave, moderada ou severa.

Laserterapia será o novo método de tratamento usado pelo SUS de Criciúma

O evento de lançamento aconteceu na manhã desta segunda-feira (9), no Salão Ouro Negro do Paço Municipal Marcos Rovaris

Ala materna do Hospital Materno Infantil Santa Catarina será inaugurada após 21 anos

Criciúma e região ganham o seu hospital infantil. Inauguração ocorre neste sábado (1) e os primeiros partos serão realizados a partir do dia 17.

Quimioterapia: jovem tubaronense consegue tratamento na Justiça