Saúde

Doenças respiratórias são principal causa de sobrecarga em hospitais infantis de SC

De acordo com a Secretaria de Saúde, 93% dos leitos de UTI pediátricos estão ocupados nesta sexta-feira (27)

Divulgação

As doenças respiratórias são o principal motivo para a lotação dos hospitais públicos infantis em Santa Catarina. Nesta sexta-feira (27), 93,88% dos leitos de UTI pediátricos estavam ocupados, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES) – das 98 unidades ativas, apenas seis estavam disponíveis.

Conforme o Painel de Leitos da SES, cinco das sete regiões de SC estão com 100% de ocupação. São elas Grande Oeste, Meio Oeste e Serra catarinense, Foz do Rio Itajaí, Grande Florianópolis e Sul.

Entre as unidades que não têm vagas nesta sexta-feira está o Hospital Infantil Joana de Gusmão, na Capital. Segundo a secretaria, na primeira quinzena de maio, das 4.518 crianças atendidas, 3.453 apresentavam casos respiratórios – o que representa 76,42% do total. Além disso, dos respiratórios, 15,5% foram classificados como graves.

— No caso das crianças, o vírus que tem circulado é o que causa um resfriado. Porém, aquelas que são recém-nascidas e têm algum doença pulmonar devem procurar uma unidade de saúde, principalmente no inverno, para receber o medicamento que aplica anticorpos e as previne contra a bronquiolite, que é a principal causa de internação — explica o superintendente em Vigilância em Saúde, Eduardo Macário.

Outra preocupação é com os casos de gripe. Em relação as crianças de zero a nove anos, só em 2022, foram registrados 28 casos e duas mortes por Influenza A (H3N2), doença que pode ser prevenida com a vacina.

Crianças entre seis meses a menores de cinco anos, por exemplo, fazem parte do grupo prioritário da Campanha Nacional da Vacinação contra gripe, ja que apresentam riscos de desenvolver complicações graves e até mesmo óbito. Além disso, de acordo com a SES, a imunização também contribui para reduzir a sobrecarga dos serviços de saúde e reduzir a ocorrência de surtos.

Aqueles que estão sendo vacinandos pela primeira vez contra a influenza devem receber uma segunda dose da vacina, com intervalo de 30 dias após a primeira dose. Já quem recebeu o imunizante em anos anteriores deve receber apenas uma dose.

Mapa mostra lotação dos leitos de UTI pediátricos em SC

Divulgação

Casos de Covid diminuem, mas ainda preocupam

Em contrapartida, os casos de Covid-19 têm potencial reduzido de causar quadros graves e mortes, principalmente por conta da vacinação. Porém, ainda é preciso ficar atento, principalmente em relação às doenças que podem ser contraídas após a infecção.

Uma delas é a Síndrome Inflamatória Multissitêmica Pediátrica (SIM-P). De acordo com a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC), entre junho de 2020 e abril de 2022, 67 crianças foram diagnosticadas com a doença no Estado – desses, dois evoluíram para óbito.

A faixa etária com o maior número de casos está entre um e 10 anos de idade – que concentram 49 casos em dois anos. No momento, de acordo com a SES, não há pacientes com SIM-P interrnados nos hospitais catarinenses.

Já em relação à Covid-19, são seis crianças: quatro em leitos de UTI pediátricos e dois em leitos neonatal. Desde o início da pandemia, 1.257 crianças de zero a nove anos foram internadas com a doença, sendo que 48 morreram.

Em 2022, já foram 436 internações e 10 óbitos até 15 de maio – mais do que o dobro do registrado em 2020, quando foram 249 internações e nove mortes.

“Após contrair a Covid-19, as crianças podem experimentar uma ampla gama de problemas de saúde novos, recorrentes e contínuos em até quatro semanas após a infecção inicial, como fadiga, tosse, dores musculares e articulares, dor de cabeça, dificuldade para adormecer e problemas de concentração. Esses problemas podem afetar a qualidade de vida das crianças durante um longo período” disse a SES, em nota.

Cobertura vacinal preocupa saúde

Ainda de acordo com nota publicada pela SES, uma das preocupações em relação à superlotação dos hospitais é a baixa cobertura vacinal. Apenas 20,3% das crianças de seis meses e menos de cinco anos foram vacinadas até o momento contra a influenza.

Já da Covid-19, a cobertura do esquema completo de vacinação (primeira e segunda dose) é de 22,9% nesta sexta-feira (27), segundo o Monitor da Vacina do NSC Total. Ao todo, 147.643 doses foram aplicadas.

Por conta disso, o superintendente em Vigilância em Saúde reforça a importância dos cuidados, principalmente nessa época do ano:

— Santa Catarina sempre teve esse período, da temporada de frio, que favorece a transmissão de doenças respiratórias. Por isso, são várias as camadas de proteção. Use álcool em gel, procure ter ambientes arejados e uma alimentação regular, para melhorar a resposta imune, além de tomar as vacinas. Isso acaba te protegendo de várias formas.

Confira outras medidas para evitar a transmissão de doenças respiratórias:

Evite espaços mal ventilados e aglomerações
Mantenha distanciamento físico
Lave as mãos com frequência com água e sabão ou álcool em gel 70%
Pratique a etiqueta da tosse cobrindo o rosto com o antebraço ao tossir ou espirrar
Evite frequentar ambientes coletivos em especial salas de aula se estiver com sintomas respiratórios
Use máscara de forma adequada cobrindo o nariz e a boca sempre que estiver num ambiente público
Lembre-se: se estiver com sintomas gripais como febre, tosse, coriza, congestão nasal, dor de garganta entre outros, procure um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

Balneário Rincão ganha rota gastronômica com 26 locais para conhecer

Iniciativa faz parte do Plano Municipal de Turismo e visa transformar a cidade em um destino turístico durante o ano inteiro

Região Sul do país tem melhora nas desigualdades sociais em saúde, diz FioCruz

Mesmo com a “ligeira redução”, como define a FioCruz, 65 dos 84 municípios que estiveram classificados na lista dos mais desiguais da Região Sul no início da pandemia permanecem nessa condição

SC tem aumento de 271% dos casos confirmados de dengue no 1º semestre de 2022

No Estado, 77 pessoas tiveram mortes confirmadas pela dengue neste ano

Criança de 2 anos é atropelada por ônibus em SC

Bombeiros informaram que a menina teve ferimentos graves e foi levada ao hospital; ela sofreu fraturas expostas