Política

Dois ex-prefeitos de Orleans responderão por ilegalidade no transporte coletivo

MPSC Comarca Orleans

Foto: Ketully Beltrame / Arquivo / Sul in Foco

A atual Administração Municipal de Orleans acatou a recomendação do Ministério Público de Santa Catarina – MPSC, proibindo a presença de pessoas que não estejam envolvidas ao ambiente escolar nos ônibus que fazem o transporte público de estudantes.

Entretanto, em gestões anteriores, a recomendação foi ignorada. Por isso, conforme informações do MPSC, a 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Orleans ingressou com ação civil pública por ato de improbidade contra dois ex-prefeitos (gestões de 2009/2012 e 2013/2016) por ilegalidades no transporte coletivo no Município.

As irregularidades foram apuradas em inquérito civil pela 1ª Promotoria de Justiça de Orleans e foram cometidas tanto no transporte escolar quanto no que diz respeito ao transporte coletivo. O promotor de Justiça, Marcelo Francisco da Silva, verificou que os veículos não seguiam as regras de segurança específicas para o transporte escolar e transitam muitas vezes lotados, com o agravante, inclusive, de que os alunos precisavam ceder seus lugares para adultos.

“Ou seja, com o conhecimento e incentivo dos gestores públicos, as crianças e adolescentes do Município, sem a presença de seus responsáveis ou de cuidadores, precisavam frequentar transporte inapropriado, muitas vezes em pé, e expostos a situações de risco decorrente da presença indevida e desvigiada de adultos desconhecidos”, considera o Promotor de Justiça.

Veja também: Empresas da mesma família detinham monopólico do transporte coletivo de Orleans

Notícias Relacionadas

MPSC acusa prefeita de Lauro Müller de fazer “verdadeira ação entre amigos”

Ação que teve liminar deferida para bloqueio de bens dos investigados alega “favorecimento intolerável” a escritório de advocacia.

MPSC questiona lei estadual que restringe o prazo para cassação da CNH

Ação foi ajuizada contra a lei que só permite a suspensão do direito de dirigir se o processo administrativo for instaurado no mesmo ano em que ocorrer a notificação.

Empresa deverá indenizar passageira vítima de ato obsceno em transporte coletivo

Uma concessionária do transporte coletivo deverá indenizar uma passageira em R$ 10 mil, a título de danos morais, por atos obscenos presenciados em um ônibus da empresa no município de Arroio do Silva.

Criciúma: operação apura falsificação de exames toxicológicos para renovação de CNH

A investigação apurou que o valor cobrado dos candidatos que buscavam o exame toxicológico falsificado era de aproximadamente R$ 1,2 mil.