Poder Executivo

Drenagem é substituída e ampliada na Rua João de Rochi na Estação Cocal

O trabalho é realizado pela Secretaria do Sistema de Infraestrutura do Governo Municipal de Morro da Fumaça

Foto: Filipe Casagrande

A equipe da Secretaria do Sistema de Infraestrutura começou os trabalhos na Rua João de Rochi, para resolver o problema crítico de alagamentos em dia de chuva na Estação Cocal. O Governo Municipal de Morro da Fumaça autorizou a substituição e ampliação da drenagem para dar mais vazão nas águas. “Dobramos a capacidade de escoamento ao fazer a troca dos drenos de 20 cm por outros de 40 cm de diâmetro”, conta o secretário Edmar Beckman.

A ampliação da drenagem será aplicada em mais de 300 metros da rua, até o início da SC-442. A equipe da prefeitura também vai construir oito novas bocas de lobo, além de fazer a recuperação das já existentes. “Estamos realizando um trabalho intenso para buscar sanar de vez o problema dos motoristas e pedestres que passam por aqui em dia de chuva”, declara o coordenador da Intendência da Estação Cocal, Ricardo Pagnan da Rocha.

Pavimentação é o próximo passo

Após a conclusão dos trabalhos de drenagem, o Governo Municipal de Morro da Fumaça vai lançar o edital para colocar um novo recapeamento asfáltico em mais de 300 metros da Rua João de Rochi. O projeto está em fase de conclusão na prefeitura. “Esta iniciativa vai corrigir o ponto mais precário da rua. Além da recapagem asfáltica, também vamos arrumar o meio-fio e construir calçadas no modelo padrão com recursos próprios da prefeitura”, salienta o prefeito Noi Coral.

Notícias Relacionadas

Braço do Norte receberá quase de R$ 2 milhões em recursos para saúde e infraestrutura

Sinalização de parte dos recursos foi confirmada na manhã de hoje (21)

HSJosé realiza primeira cirurgia de transplante de tecido ósseo pelo SUS

Instituição que é a primeira do Sul do Estado autorizada para realizar o procedimento, foi credenciada em dezembro para a realização de Transplantes de Tecido Músculo Esquelético.

Criciúma chega a 250 óbitos por coronavírus

O paciente era residente do município

Brasil não pode importar doses das vacinas de Oxford vindas da Argentina

As doses produzidas na fábrica da Argentina devem ser enviadas para os países vizinhos, enquanto o Brasil segue esperando liberação da China.