Geral

Em reunião do Senado, Carlos Moisés ressalta necessidade de união em momento crítico da pandemia

O encontro foi conduzido pelo senador Confúcio Moura (RO) e também contou com a presença do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco

Divulgação

O governador Carlos Moisés reforçou a necessidade de união dos entes federativos por conta do momento crítico vivido pelo Brasil na pandemia de Covid-19. A fala foi feita durante uma reunião virtual da Comissão Temporária Covid-19 do Senado Federal na manhã desta quinta-feira, 11. Carlos Moisés também defendeu as compras centralizadas de vacinas pelo Governo Federal no Programa Nacional de Imunização (PNI). De acordo com o chefe do Executivo catarinense, o PNI tem um histórico de sucesso ao longo das décadas.

Além de Santa Catarina, também participaram da reunião os governadores do Ceará, Camilo Santana; do Piauí, Wellington Dias; do Amazonas, Wilson Lima, e da Bahia, Rui Costa. O encontro foi conduzido pelo senador Confúcio Moura (RO) e também contou com a presença do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.

Aos parlamentares, o chefe do Executivo catarinense listou as medidas realizadas até o momento para enfrentar a crise sanitária no Estado, como a expansão dos leitos de UTI, o incremento da fiscalização e as medidas restritivas, especialmente durante a madrugada e os fins de semana.

Segundo Carlos Moisés, as novas variantes atingem especialmente os estados do Sul do Brasil neste momento. Por serem mais transmissíveis, elas ocasionaram um incremento exponencial do número de casos e internações.

O governador destacou que, embora os leitos de UTIs estejam ocupados em todo o Estado, os pacientes estão recebendo tratamento.

“Estamos vivendo um momento novo. Há uma diferença clara do que estamos presenciando em 2021 do que vivemos em 2020. É algo extremamente grave. Há alguns comportamentos que intensificam a velocidade de transmissão, como as festas clandestinas. Por isso, estamos aumentando a fiscalização, porém contamos com a colaboração de todos”, afirmou Carlos Moisés.

Os demais governadores ressaltaram a necessidade de se acelerar o ritmo de vacinação em todo o território nacional e as dificuldades para ampliar ainda mais os leitos de UTI por conta da dificuldade de contratação de profissionais. “É uma guerra de todos nós”, ressaltou o governador do Amazonas, Wilson Lima.

Eles concordaram que para superar a crise do desabastecimento é necessária a intervenção do Ministério da Saúde para que não se deixe nenhum Estado desassistido na compra de insumos para o enfrentamento à doença.

“Há uma demanda intensa também por parte de quem vende os itens que se precisa neste momento no país. De sete itens que cotamos para aquisições, recentemente, apenas um conseguimos o fechamento e, deste, dos 30 mil que precisávamos, apenas três mil foram ofertados ao Estado. A nossa defesa, portanto, é que, assim como é feito com o PNI, o Ministério da Saúde centralize essas compras e não deixe ninguém desabastecido”, finalizou Carlos Moisés.

Notícias Relacionadas

Covid-19: pessoas já infectadas devem esperar um mês antes de vacinar

Recomendação é de médicos infectologista.

Nova lei de trânsito entra em vigor nesta segunda-feira

Mudanças incluem aumento de validade e do limite de pontos na CNH.

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 33 milhões

Foram sorteadas as dezenas 14, 21, 22, 29, 35 e 46.

Caixa paga hoje auxílio emergencial a nascidos em março

Benefício terá parcelas de R$ 150 a R$ 375.