Geral

Empresa está proibida de comercializar loteamento irregular, em Criciúma

Liminar obtida pelo MPSC estabelece que terrenos do Loteamento Vitória II, em Criciúma, só podem ser vendidos após regularização.

MPSC

Foto: Divulgação

O Ministério Público de Santa Catarina – MPSC, obteve medida liminar em ação civil pública para determinar que o Município de Criciúma e os proprietários do Loteamento Vitória II regularizem a situação do empreendimento, que não conta com a infraestrutura exigida por lei e não está inscrito no Cartório de Registro de Imóveis.

A ação foi ajuizada pela 9ª Promotoria de Justiça de Criciúma – com atuação regional na área do meio ambiente – após apurar, em inquérito civil, que o empreendimento não possui rede de esgotamento sanitário e lança, sem tratamento, dejetos domésticos na rede de drenagem pluvial. No Inquérito, o Ministério Público também verificou que o loteamento não está inscrito no Ofício de Registro de Imóveis, o que impede que os adquirentes de terrenos obtenham a escritura pública.

Na ação, o promotor de Justiça Luiz Fernando Góes Ulysséa destaca que a Lei Federal n. 6.766/79 e a Lei Municipal 3.901/99 disciplinam o parcelamento do solo e fazem uma série de premissas para que sejam autorizados os loteamentos. Entre elas, estão a infraestrutura básica – rede pluvial, iluminação pública, rede de esgoto, calçamento, abastecimento de água, etc -, que não ocorre integralmente no caso.

De acordo com o promotor de Justiça, cabe aos loteadores implantar as obrigações exigidas pela legislação e ao Município fiscalizar e garantir a regularidade no uso, parcelamento e ocupação do solo. Desta forma, conforme o Ministério Público ambos são responsáveis pelo loteamento irregular.

Assim de forma a proteger o meio ambiente, colocado em risco pela falta de esgotamento sanitário, e os compradores dos lotes, a Promotoria de Justiça requereu medida liminar com uma série de obrigações para os loteadores e para o Município (veja ao final do texto), entre elas a proibição de comercialização dos lotes até a regularização do empreendimento.

Diante dos fatos e provas apresentados pelo Ministério Público, a medida liminar foi deferida pelo Juízo da 2ª Vara da Fazenda da Comarca de Criciúma. A decisão é passível de recurso.

Veja abaixo as obrigações que deverão ser atendidas.

Pelos loteadores

não realizarem vendas e promessas de vendas das áreas remanescentes;

não receberem prestações vencidas e vincendas dos contratos já firmados, a menos que os valores recebidos sejam de imediato consignados em juízo;

não realizarem qualquer obra até a efetiva aprovação do empreendimento na forma da lei, a exceção de obra eventualmente necessária para a própria aprovação do empreendimento.

Pelo o Município de Criciúma:

realizar no prazo de 60 dias um cadastramento dos atuais moradores do loteamento;

apresentar, no mesmo prazo, o rol das inscrições municipais dos imóveis pertencentes ao loteamento irregular e dos quais é cobrado IPTU;

colocar de imediato duas placas em frente ao loteamento, metragem 4X2 metros, anunciando o ajuizamento desta Ação Civil Pública.

Pela CASAN e pela CELESC

fornecer, no prazo de 20 dias, a relação de todas as ligações já efetuadas na área em litígio, além de determinar que ambas as concessionárias não mais atendam qualquer outro pedido de ligação de água e energia no local.

Colaboração: Comunicação MPSC

Notícias Relacionadas

Programação da Semana Mundial do Meio Ambiente convida à reflexão, em Orleans

“Lutar contra o aquecimento global começa pela água tratada e pelo saneamento”, diz jornalista Sônia Bridi em palestra

Liminar determina atualização de valores repassados a hospital filantrópico de Laguna

Recursos provenientes de convênios firmados com o Município de Laguna e o Estado de Santa Catarina estão sem atualização monetária, enquanto déficit do Hospital de Caridade aumenta.

MPSC questiona lei estadual que restringe o prazo para cassação da CNH

Ação foi ajuizada contra a lei que só permite a suspensão do direito de dirigir se o processo administrativo for instaurado no mesmo ano em que ocorrer a notificação.