Segurança

Esquema milionário de produção de drogas sintéticas descoberto em SC abastecia o tráfico no Brasil

Quase R$ 1 milhão foi apreendido com os traficantes em megaoperação da Polícia Civil. Grupo era "altamente organizado", diz delegado.

Divulgação

Uma organização criminosa que produzia drogas sintéticas e as traficava do Litoral Norte de Santa Catarina a outros Estados do país foi desarticulada pela Polícia Civil. Mais de 100 mil comprimidos de ecstasy, entre outros entorpecentes, e quase R$ 900 mil em dinheiro foram apreendidos na ação que procura cumprir 39 mandados de busca e apreensão e 21 de prisão nesta sexta-feira (16). A operação foi batizada de ‘@Express’.

Da região de Balneário Camboriú as drogas seguiam para diversos cantos do Brasil, como Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Distrito Federal, contou o delegado da Divisão de Investigação Criminal da cidade, Vicente Soares, em entrevista coletiva no final desta manhã. Soares detalhou que apurou as suspeitas durante cerca de um ano e meio. No monitoramento feito, descobriu-se que os criminosos usavam empresas laranjas ou de fachada para comprar os produtos químicos necessários à fabricação de entorpecentes como ecstasy, LSD e skunk.

— Era um grupo articulado, uns dos principais responsáveis pelo tráfico de sintéticos do Brasil — disse Soares.

No momento em que ele conversou com os jornalistas, 13 suspeitos haviam sido detidos. As equipes formadas por 170 agentes trabalham até o final do dia para cumprir as demais ordens judiciais. Eles foram a imóveis localizados em Balneário Camboriú, Camboriú, Itajaí, Laurentino e Curitiba, no Paraná.

Modo de operar

Os compradores recebiam grandes lotes para revenda nos Estados. O grupo, que não é ligado a nenhuma facção criminosa, tinha as funções de cada integrante bem definidas. Soares classificou a organização em três escalões: primeiro, os líderes, que produziam as drogas, faziam as remessas para outros Estados e compravam os produtos necessários, tanto para a fabricação em si como para os laboratórios. Segundo, os que traficavam localmente (vendas “varejo”).

No terceiro escalão estavam os que serviam de laranjas, alugavam imóveis e auxiliavam na lavagem de dinheiro. A maioria dos criminosos já tinha passagens por crimes como tráfico de drogas. Alguns eram da mesma família. Outros, apenas amigos e comparsas.

A investigação

Soares começou a investigação depois de denúncias de que dois integrantes do bando estariam produzindo e traficando drogas. Porém, a história era maior do que se pensava. Com a quebra de sigilo fiscal e outros métodos, a equipe identificou a compra de produtos químicos e foi chegando aos suspeitos.

Alguns mentores do esquema foram presos durante os trabalhos, o que ajudou os investigadores a identificarem novas provas. No Distrito Federal, uma carga com 6 mil comprimidos de ecstasy foi interceptada no ano passado. A Polícia Civil constatou que, em média, eles eram capazes de enviar 50 remessas por mês. Cada uma levava de 5 mil a 6 mil comprimidos.

Mala encontrada em Itajaí

Divulgação

Um laboratório foi encontrado em Camboriú durante as investigações, mas a Polícia Civil sabe que os pontos não eram fixos, já que o grupo mudava a localização da produção e por vezes mantinha mais de um ao mesmo tempo.

Recentemente um laboratório em Itajaí foi descoberto também. Nesta sexta nenhum foi encontrado. Os policiais localizaram as drogas e os suspeitos em imóveis utilizados para armazenamento, empresas laranjas de Camboriú e Balneário Camboriú e casas. Em um imóvel de Itajaí estavam em uma mala os quase R$ 900 mil.

Eles devem responder por tráfico interestadual de drogas, organização criminosa e possivelmente por lavagem de dinheiro. As investigações continuam.

Com informações do NSCTotal

Notícias Relacionadas

São Ludgero antecipa para amanhã (22) a segunda dose da vacina contra Covid-19 para pessoas com agendamento

A Sala de Vacinas funciona na ESF Margem Esquerda das 7 às 16 horas sem fechar ao meio-dia de segunda a sexta-feira

Turmas do 9º ano aprendem a fazer sabão caseiro

Alunos reaproveitaram o óleo usado dentro da proposta da economia circular

Homem chama enfermeira de ”verme” nas redes sociais e é condenado em SC

Mulher foi xingada de "verme" e "escrota" nas redes sociais

Em São Ludgero pais devem ficar atentos às datas para rematrículas e matrículas de seus filhos para 2022

Para as rematrículas, os pais ou responsáveis já receberam todas as informações via agenda escolar, grupos de Whatsapp das escolas e também estão disponíveis no Instagram