Geral

Estacionamento e obra parada são alvos de protesto em Laguna

foto: Jefferson Vitorino/DS

A manifestação realizada na tarde dessa segunda-feira (23), em Laguna, pedindo a volta do estacionamento rotativo na cidade, parou o Centro do município.

O movimento, liderado pelas associações comerciais, pede que a prefeitura dê mais atenção ao problema, que estaria afetando a economia local.

Com faixas e cartazes, os manifestantes percorreram a avenida Colombo Machado Sálless, no Centro histórico. Depois, estiveram em reunião com o prefeito, Mauro Candemil. O movimento foi promovido pela Câmara de Dirigentes Lojistas – CDL, Associação Comercial de Laguna – Acil e Sindilojas.

Segundo o presidente da Acil, Patrick Paulino, empresários da cidade tentam, há cerca de cinco anos, fazer voltar o sistema de vagas rotativas em Laguna. “As entidades vêm lutando para que isso aconteça, mas não estamos vendo resultado positivo. Por isso que foi decidido fazer uma coisa mais enérgica, como a manifestação, para que a gente seja ouvido”, conta Patrick.

Ainda de acordo com o presidente da Acil, o comércio de Laguna pede socorro. “A cidade não conta com grandes indústrias. O que salva a economia local é o comércio, que pede essa ajuda. Mas os gestores do município parecem não enxergar isso”, pontua.

Em nota oficial, a Prefeitura de Laguna informou que o município entende que o serviço de estacionamento rotativo é o que melhor se amolda às necessidades da cidade, priorizando sua implantação em relação a outros modelos possíveis de serem adotados. A nota ainda informa que o último modelo de concessão instalado na cidade teria acabado pela falta de viabilidade econômica da concessão, falta de fiscalização e a baixa adesão dos usuários ao sistema.

Por telefone, o prefeito Mauro Candemil explicou que a cidade tenta formas de viabilizar o estacionamento, mas que precisa encontrar uma maneira de oferecer um sistema eficiente e que atenda às necessidades da população, sem que a empresa responsável pelo serviço tenha déficit.

Obras paradas no Mercado Público

A manifestação da tarde de ontem, em Laguna, também teve como tema a demora das obras de conclusão da reforma do Mercado Público. Questões burocráticas travam a continuidade dos trabalhos desde 2015.

Segundo a prefeitura de Laguna, a obra está no mesmo contrato que os projetos do Memorial Tordesilhas e do Museu Histórico Anita Garibaldi. Ainda de acordo com o município, na gestão anterior ocorreu uma investigação policial acerca destes projetos. Até o presente momento, a prestação de contas da empresa contratada não foi aprovada pelo BNDES, o que provocou a paralisação das obras.

O município ainda afirma, em nota, que poderá ser necessário efetuar a devolução dos valores já pagos.

Com informações do Jornal Diário do Sul

Notícias Relacionadas

ExpoMais é oficialmente lançada nesta segunda-feira

O evento terá palestras principais com nomes de renome nacional, além de outros espaços que estarão à disposição do público e que serão reveladas no evento de lançamento desta segunda-feira.

Senador garante R$ 40 milhões e obras da Serra da Rocinha não sofrem ameaça

Prefeito de Joinville aponta caminhos para o crescimento da região Sul

Segundo Udo Döhler, em palestra na Associação Empresarial de Criciúma - ACIC, gestão pública eficiente, planejamento e união são as principais diretrizes.

Campanha “Compre de Orleans” será lançada neste sábado na Praça Celso Ramos