Geral

Estudo mostra que 76% das mulheres sofreram violência no trabalho

Relatório foi elaborado pelo Instituto Patrícia Galvão

Divulgação

Levantamento produzido pelo Instituto Patrícia Galvão revela que 76% das mulheres já foram vítimas de violência no ambiente de trabalho. De acordo com o relatório, elaborado com o apoio da Laudes Foundation e divulgado hoje (7).

Quatro em cada dez foram alvo de xingamentos, insinuações sexuais ou receberam convites de colegas homens para sair. A mesma proporção aplica-se a casos em que as trabalhadoras tiveram seu trabalho supervisionado excessivamente. Uma parcela significativa delas também vivencia situações de depreciação das funções que exercem, tendo suas observações desconsideradas (37%), ganhando um salário menor do que colegas homens com o mesmo cargo (34%), recebendo críticas constantes sobre o esforço com que exercem as atividades (29%).

Colegas homens também são responsáveis por constranger as mulheres de outras formas, como elogiar de forma constrangedora (36%). A tentativa de se exercer poder sobre as mulheres se deu através de outras formas, como ameaças verbais (23%) e a discriminação por conta da aparência física ou idade das trabalhadoras (22%).

Um dos comportamentos mais graves que atingem as trabalhadoras é a agressão sexual, categoria do estudo que engloba tanto os casos de assédio sexual como estupro. Esse tipo de episódio, que configura crime, atinge 12% das mulheres entrevistadas pelo instituto. Além disso, 4% foram vítima de agressões físicas no ambiente de trabalho.

Embora as estatísticas preocupem têm deixado de adotar procedimentos mais rigorosos. Em apenas 34% dos casos denunciados aos gestores, a empresa ouviu o relato da vítima e puniu o agressor. Em 12%, a empresa sequer ouviu a vítima.

O estudo destaca, ainda, que, em apenas 28% dos casos relatados, a vítima soube que o agressor sofreu alguma consequência. Em 39% dos episódios, a vítima ficou sem informações sobre as medidas tomadas para penalizar o agressor e em 36% nenhuma sanção foi aplicada.

Impacto da violência doméstica

A violência de gênero cometida em casa também é um aspecto abordado pela pesquisa, que indica que, para sete em cada dez pessoas consultadas, as vítimas apresentam um desempenho pior no trabalho. Um dado relevante sobre a percepção em torno da questão é que mais da metade dos entrevistados desconfia de que uma colega sua seja vítima de violência doméstica.

No total, foram consultada, via plataforma online, 1.500 pessoas, das quais 1 mil eram mulheres e 500 homens, todos com 18 anos de idade ou mais, entre 7 a 20 de outubro. A margem de erro é de 2,9 pontos percentuais. A pesquisa pode ser conferida, na íntegra, pelo site do instituto.

Com informações da Agência Brasil

Notícias Relacionadas

Prefeito de Bom Jardim da Serra quer intensificar parceria no turismo com Lauro Müller

O objetivo é desenvolver o turismo local, que tem como principal atrativo a Serra do Rio do Rastro, que liga os dois municípios

Santa Catarina registra totais elevados de chuva; estado é de atenção até sexta-feira

Houve registro de alagamentos e deslizamentos devido ao solo encharcado

Prefeito de Braço do Norte assina convênio de R$ 2 milhões para construção dos leitos de UTI do HST

A solenidade ocorreu na manhã desta quinta-feira, 21, no auditório do Siscoob, e também contou com a presença do deputado federal Ricardo Guidi, do vice-prefeito, Ronaldo Fornazza e do presidente do HST, Pedro Michels Neto.

Secretaria de Educação realiza pesquisa para retorno das atividades presenciais em Lauro Müller

O objetivo da pesquisa é de fundamental importância para a equipe da Secretaria de Educação organizar a retomada das aulas presenciais