Segurança

Faca e casa passam por perícia após morte de policial civil em SC

Faca que teria sido usada no crime também foi periciada pelo IGP

Divulgação

A casa onde o policia civil foi encontrado morto em São Miguel do Oeste passou por perícia na noite de segunda-feira (18). A faca que teria sido usada para matar o agente também foi periciada pelo Instituto Geral de Perícias (IGP). As informações são do G1 SC

O corpo do policial civil de 46 anos passou por necropsia. Segundo a polícia, ele teria sido morto com facadas no pescoço.

O crime aconteceu na sexta-feira (15). Segundo a Polícia Civil, as duas adolescentes, entre elas a filha do policial, confessaram a autoria do crime. Elas foram apreendidas e encaminhadas para o Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Chapecó,. No sábado (16), a Justiça determinou a internação provisória das duas por até 45 dias.

O IGP informou que o trabalho de perícia inclui a coleta de material genético, que será confrontado com as provas com as provas coletadas. Não há previsão para conclusão dos laudos.

O caso é investigado pela Diretoria de Investigação Criminal (DIC) de São Miguel do Oeste e está em sigilo por envolver adolescentes.

A Polícia Civil emitiu nota lamentando a morte do agente. Ele trabalhava há 25 anos na corporação. O velório e o sepultamento do agente ocorreram em São Miguel do Oeste.

A filha do policial fez uma solicitação para ir ao velório, mas o pedido foi negado pela Justiça, segundo a assessoria do Poder Judiciário.

*Com informações do G1 SC

Notícias Relacionadas

Jovem morre afogado após salvar criança e adolescente no rio em SC: “Herói”

Corpo de Eduardo Cordeiro foi encontrado na manhã deste domingo (5)

Criança de seis anos é resgatada após queda de dois metros, em Paulo Lopes

Aeronave transportou a vítima até o Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis

Defesa Civil de SC emite alerta para temporais neste domingo com vento forte e granizo

Dia de altas temperaturas pode ter registro de chuva intensa em um curto intervalo de tempo por todo o Estado, de acordo com a Epagri/Ciram

Beach clubs de Jurerê têm que demolir estruturas feitas após 2005, determina STF

Para o advogado, o STF não determina a demolição das estruturas, e afirma que elas podem ser "readequadas" a partir de requerimento