Saúde

Falta de funcionários pode provocar greve no Hospital Regional de Araranguá

Sindicato organizou manifestação e fez assembleia para tornar pública as denúncias de falta de servidores, perseguição, assédio moral e atrasos salariais.

Um “varal das denúncias” foi montado nessa quinta-feira (18) em frente à entrada dos funcionários do Hospital Regional de Araranguá. Ele foi escrito por um dos trabalhadores da instituição e demonstra o clima organizacional nos corredores do único hospital público do Vale.

“Olá. Gostaríamos de expressar nossa indignação. A UTI do Hospital Regional de Araranguá está uma vergonha! Com 10 pacientes, existem apenas três técnicos de enfermagem, sendo que uma pegou férias e a outra saiu de licença maternidade, fazendo com que a gente precise se arrebentar para dar conta de tudo sozinhas. O pior é que sempre temos que contar com apoio de pessoas de outros setores, eles ainda fazem cara feia. Até quando vai esse descaso?”, diz um dos desabafos.

A iniciativa é do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde de Criciúma e Região – Sindisaúde e visa chamar a atenção para uma série de problemas que estão sendo enfrentados pelos servidores da instituição. Segundo João Batista Estevam, o varal denuncia as condições de trabalho, perseguição e assédio moral, a falta de funcionários, a sobrecarga de trabalho, a superlotação do pronto socorro e os constantes atrasos de pagamentos.

“Viemos pedir mais respeito e humanização aos trabalhadores”, pontuou o diretor do Sindisaúde em Araranguá, que estava acompanhado do presidente, Cleber Ricardo da Silva Cândido. Conforme os sindicalistas, é necessária a contratação urgente de mais funcionários. “Estão cansado e doentes. São muitos pacientes para os poucos profissionais e eles devem atender bem e com qualidade mas desta forma está bem complicado, pois faltam muitos servidores no setores, principalmente aqueles considerados os mais importantes para o funcionamento do Hospitalcomo Pronto Socorro e UTI”, criticou. São mais de 550 trabalhadores atuando na  instituição, segundo informou a SPDM, instituição paulista responsável pela administração.

Denúncias expressam indignação e preocupação com o futuro

Segundo João Batista, as denúncias chegam ao sindicato através de e-mails e cartas, algumas delas anônimas, mas todas investigadas. “A maioria das denúncias demonstra o sentimento de preocupação dos funcionários com o futuro do Hospital. Desde que foi ventilada uma possível troca de gestão, a SPDM segurou as contratações e os funcionários que foram sendo demitidos ou que pediram as contas não foram recontratados. O que nos preocupa é justamente essa falta de reposição dos servidores. Há aproximadamente dois meses ninguém foi recontratado e faltam muitos profissionais para atender setores importantes como UTI e Pronto Socorro. Os funcionários também se queixam de cansaço, sobrecarga de trabalho e perseguição por parte de algumas chefias”, explicou o sindicalista.

Ainda de acordo com o representante dos trabalhadores, a falta de reposição dos servidores tem deixado o clima tenso no interior do hospital. “Mais uma vez o futuro do HRA é incerto e a corda arrebenta do lado mais fraco. É compreensível a preocupação dos trabalhadores diante desta posição da SPDM que mantém o impasse só demitindo e não contratando”, desabafou. O sindicato informou que ainda não tem dados oficiais sobre as demissões, o levantamento ainda está sendo realizado, mas garante que o número de desligamentos é grande.

As contas não fecham

O que chama a atenção do Sindisaúde é que faltam funcionários para ocupar os inúmeros postos de trabalho dentro do Hospital, no entanto, o número de servidores contratados que consta na lista informada pela SPDM em seu Portal da Transparência é de mais de 550 servidores. Segundo nota divulgada em fevereiro deste ano, pela própria secretaria de Saúde do Estado, em relação a junho de 2013 até fevereiro deste ano, houve um incremento de 31% nas contratações. O Governo do Estado informou que o número de trabalhadores no HRA era de 428 funcionários em junho de 2013 e que em atualmente o quadro conta com 560 empregados. Segundo dados do Portal da Transparência, que está desatualizado, com informações somente até junho de 2016, o valor gasto com salários foi de R$ 2.591.310,94.

Resposta da SPDM foi encaminhada

Após contato via email para a Assessoria de Imprensa da SPDM, foi recebida a resposta com os seguintes esclarecimentos:

"Em relação ao valor informado esclarecemos que o apontamento se refere à soma do 37º e 38º mês, ou seja, duas competências.

Em relação ao portal da transparência esclarecemos que a apresentação da Prestação de Contas obedece o prazo de 90 (noventa) dias, contado do recebimento dos recursos financeiros do Contrato de Gestão, conforme Lei 12.929, de 04 de fevereiro de 2004, em consonância com os Artigos 40 e 41 do Decreto 4.272/2006 e IN nº TC 14/2012, portanto o mesmo se encontra atualizado.

O quadro atual de empregados da unidade é de 526 profissionais".

Com informações da Revista W3

  • fdb04ef4985157109b223d1959a9666e
  • 8589979638fbf845b24f865bd7b342be
  • f99987963bc0f42d100001db2ec26877
  • ca40e8a6e924219c13f672ab74de6872