Geral

Famcri alerta sobre possibilidade de aparecimento de animais silvestres em perímetro urbano

Por conta do calor e período reprodutivo, cobras e lagartos podem ser vistos com mais frequência

Divulgação

Com o início dos dias quentes, a Fundação do Meio Ambiente de Criciúma (Famcri) alerta a população para o aparecimento de répteis e anfíbios, como cobras e lagartos, que podem ser facilmente vistos no ambiente urbano e próximo a residências. Esse aparecimento é devido ao período reprodutivo dessas espécies. Também é necessário um cuidado especial e estar atento na travessia de vias. No entanto a Famcri ressalta que é considerado crime ambiental matar animais silvestres, exceto em casos de ameaça a vida de pessoas.

“Caso encontre um animal dentro de sua residência isole o local e mantenha distância. Não tente matar. Em geral, animais só atacam quando se sentem ameaçados. Lagartos, por exemplo, são inofensivos. Por isso, a orientação para quando avistar um desses animais é chamar o Corpo de Bombeiros ou o órgão ambiental do município”, ressaltou a fiscal da Famcri, Jade Martins Colombi.

Cuidados para evitar a entrada desses animais em casa:

Não acumular materiais e lixo perto de casa;
Manter a higiene da residência;
Manter a grama sempre cortada;
Verificar calçados, bolsas e outros objetos antes de usá-los;
Não deixar veículos abertos;
Colocar redes de proteção, vedantes ou sacos de areia nas portas e janelas.

Notícias Relacionadas

Jovem morre afogado após salvar criança e adolescente no rio em SC: “Herói”

Corpo de Eduardo Cordeiro foi encontrado na manhã deste domingo (5)

Criança de seis anos é resgatada após queda de dois metros, em Paulo Lopes

Aeronave transportou a vítima até o Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis

Defesa Civil de SC emite alerta para temporais neste domingo com vento forte e granizo

Dia de altas temperaturas pode ter registro de chuva intensa em um curto intervalo de tempo por todo o Estado, de acordo com a Epagri/Ciram

Beach clubs de Jurerê têm que demolir estruturas feitas após 2005, determina STF

Para o advogado, o STF não determina a demolição das estruturas, e afirma que elas podem ser "readequadas" a partir de requerimento