Saúde

Fecam assina protocolo de intenções para adquirir doses de vacina russa

Em encontro virtual realizado nesta quinta-feira (4) a entidade representante dos municípios de Santa Catarina formalizou o interesse em adquirir doses da Sputnik V

Divulgação

A Fecam (Federação Catarinense de Municípios) assinou um protocolo de intenções para adquirir doses da vacina Sputnik V, fabricada pelo Instituto russo Gamaleya, no combate a Covid-19.

A assinatura do protocolo foi feita junto com a Câmara Brasil-Rússia na manhã desta quinta-feira (4). O vínculo, conforme nota da federação, visa “desenvolver relações econômicas e financeiras”

A formalização da parceria foi conduzida pelo presidente da FECAM, prefeito de Araquari, Clenilton Pereira. Participou, de maneira virtual, Gilberto Ramos, bem como o senador Dário Berger (MDB).

“A prioridade dos governos deve ser a saúde. Sem resolvermos o problema da pandemia não vamos crescer, não vamos avançar, não vamos prosperar”, disse o senador, lembrando que “todo movimento por vacina que se faz em âmbito municipalista é muito bem visto pelo parlamento brasileiro”.

Para o presidente da Fecam trata-se de busca por alternativas e parcerias na intenção de encontrar soluções no combate a pandemia. Clenilton ainda lembrou a ida da entidade ao Instituto Butantan, em dezembro, em busca da Coronavac.

Câmara Brasil-Rússia

Gilberto Ramos disse que a Câmara Brasil Rússia está “a postos, preparada e a disposição para construir relações com a Federação, principalmente em relação a vacina Sputnik”.

O presidente reforçou interesse de que a cooperação firmada entre os países pelas instituições seja a longo prazo, envolvendo outras frentes em diversos setores.

91,8% de eficácia

O consultor em saúde da Fecam, médico especialista em saúde pública,  Jailson Lima, destaca que a Câmara Brasil-Rússia tem relação direta com o fundo de investimentos que patrocinou e subsidiou todo o investimento em pesquisa no Instituto Gamaleya, que produziu a vacina Sputnik.

“Essa vacina tem 91,8% de eficácia. A partir do momento que você aplica a vacina Sputnik significa que 91,8 % das pessoas não terão a doença e apenas o restante poderá ter a doença”, explica Jailson.

O consultor ainda lembra que mesmo que o Governo Federal, via Ministério da Saúde, compre todas as vacinas da Sputnik produzidas no Brasil, não haverá vacinas o suficiente neste ano para imunizar todos os brasileiros dos grupos de risco do Plano Nacional de Imunização. “Se conseguirmos acelerar a aquisição de vacinas, será muito importante”, acrescenta Jailson.

Levantamento da FECAM

A Fecam deverá finalizar nesta semana um levantamento nos municípios catarinenses com intuito de saber quantas doses cada município recebeu até agora via Governo do Estado, quais as vacinas e a organização da estrutura e logística para a aplicação.

Com base nos dados, a Federação iniciará videoconferências com os secretários de saúde e equipes responsáveis, de forma a levantar as demandas e buscar, pontualmente, agilizar questões com o Governo do Estado.

Com informações do NDMais

Notícias Relacionadas

Pessoas com 54 e 55 anos serão vacinadas contra Covid-19, em São Ludgero

Durante a vacinação contra Covid-19 as Secretarias de Assistência Social e Saúde estão realizando a campanha “Vacina contra Fome”.

Criança é flagrada dirigindo veículo na Estrada Geral do Rio Novo, em Orleans

A criança foi abordada junto com seu avô, que estava no banco do carona

Mais três unidades de saúde passam por reformas em Morro da Fumaça

São cinco as estruturas que recebem por melhorias nos últimos dois anos

Criciúma vence e assume vice-liderança da Série C

Hygor e Dudu marcaram os gols da vitória do Tigre por 2 a 1 sobre o Ypiranga