Clima

Fenômeno La Niña deve provocar ‘viradas no tempo’ durante o verão em SC

Previsão indica, porém, que a chuva deve ser um pouco abaixo da média em algumas regiões do Estado, nos meses de novembro, dezembro e janeiro

Divulgação

O fenômeno global La Niña deve provocar temporais mais intensos em Santa Catarina durante o verão, com chance de granizo e ventos fortes. A previsão da Epagri/Ciram indica, porém, que a chuva deve ser um pouco abaixo da média em algumas regiões do Estado, nos meses de novembro, dezembro e janeiro.

Segundo o meteorologista da Epagri/Ciram, os acumulados de chuva devem ser menores no Oeste, Meio-Oeste, Planalto Sul e Litoral Sul neste trimestre, mas nada prejudicial à agricultura.

“Mesmo assim não será o pior cenário para o Estado. Longe da forte estiagem e escassez de chuva que tivemos desde o final do ano passado”, garante.

O meteorologista explica que apesar do aumento do número de temporais, não há a elevação do volume das chuvas. A previsão foi discutida na reunião do Fórum Climático Catarinense, no fim de outubro. A chuva deve ocorrer com totais mais significativos em curto intervalo de tempo.

“A chuva vai ser relativamente frequente, não vai ter espaçamentos muito gran-des como tivemos em boa parte desse ano, com 15, 20 dias sem chuvas significa-tivas”, diz. Assim, a probabilidade é que os próximos meses sejam com uma se-quência de dias com vários períodos de precipitação.

Já no Vale do Itajaí e Litoral catarinense, a chuva deve ficar um pouco acima da média, mas também nada que chame a atenção. E é justamente isso que o La Niña provoca: mais ou menos chuvas em determinadas áreas. Em 2020, o fenô-meno diminuiu o volume de chuvas no Estado.

Média das chuvas

Conforme a Epagri/Ciram, a segunda quinzena de dezembro é mais chuvosa em relação à primeira. A precipitação se concentra especialmente à tarde e à noite, em forma de pancadas passageiras, típicas de verão. A média mensal em de-zembro e janeiro varia de 140 a 200 mm no Estado.

Em novembro, a média de chuvas no Meio-Oeste e Oeste é em torno de 140 a 200 mm. No Litoral, Planaltos e Vale do Itajaí, a precipitação é de 140 a 160 mm, ou seja, uma diferença de 40 mm, o que é considerado alto.

O mês de dezembro será mais chuvosos no Litoral do que no Oeste, o que é con-siderado normal. Em janeiro chove em todas as regiões, mas especialmente no Litoral Norte catarinense.

Temperaturas durante o verão

O La Niña provoca o resfriamento das águas do oceano Pacífico na linha do Equador, entre a Indonésia e o Peru. Dessa forma há interferência de massas de ar, tanto quentes quanto frias, provocando variação nas temperaturas.

Mas não é apenas o fenômeno que age de forma isolada. A circulação marítima, ou seja, o transporte de umidade do mar para continente, e a ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul), favorecem dias com mais nebulosidade e chuva frequente no Litoral e Vale do Itajaí, especialmente em janeiro.

A temperatura deve permanecer na média para o período. Durante a madrugada e amanhecer, as temperaturas mais baixas podem provocar geada fraca nas áreas altas do Planalto Sul, mesmo de que forma isolada.

Ao longo de novembro e dezembro, no entanto, as massas de ar quente atuarão com mais frequência e serão cada vez mais duradouras. Além disso, as características da primavera devem se manter, com nevoeiros e redução de visibilidade.

Com informações do HCNotícias

Notícias Relacionadas

Vereadores de Lauro Müller aprovam Proposições, Requerimentos, Projetos de Lei e Projeto de Resolução

No Grande Expediente, oito vereadores aproveitaram para fazer seus pronunciamentos.

Satc Digital e Coopera firmam parceria para a aplicação do ensino corporativo

De forma gratuita, cinco cursos livres foram lançados nesta segunda-feira e estão disponíveis para a comunidade

Número de casos ativos de Covid-19 despenca em SC e índice é o menor em 17 meses

Dados mostram que o Estado vive um momento menos delicado da pandemia, e caminha para um processo de estabilização

Assistência Social de Criciúma entrega alimentos para instituições sociais no Parque das Nações

Ao todo, foram distribuídos 960 kg de carne, 1.500 kg de banana, 60 cestas básicas e 90 kits de legumes para 30 instituições