Saúde

Fotos revelam mofo no Hospital Regional de Joinville e causam polêmica

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, período de chuva ajudou na formação do mofo

Divulgação

Fotos mostrando o mofo tomando conta de tetos e paredes do Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, em Joinville, chamaram a atenção nos últimos dias e motivaram uma polêmica sobre os cuidados com a unidade de saúde de referência na maior cidade de Santa Catarina.

As imagens, divulgadas pela moradora Val Meurer Silva, que acompanhava a mãe — internada na área da cardiologia —, mostram pacientes expostos ao mofo nos quartos, banheiros e corredores do hospital. O caso já motivou um debate na Câmara de Vereadores de Joinville, citando até uma possível moção de repúdio.

Confira as imagens

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), responsável pela administração do Hospital Regional, a limpeza estava prevista para o fim de semana e algumas alas da unidade já estão limpas.

Veja a nota da SES na íntegra:

O Hospital Regional Hans Dieter Schmidt, de Joinville, informa que a limpeza do quarto em questão já estava programada para ocorrer neste final de semana, sendo que em alguns locais a limpeza já foi finalizada. O setor fica em uma área adjacente à mata e, consequentemente, facilita a propagação de mofo. Além do mais, a grande quantidade de chuvas nas últimas três semanas em Joinville agravou a situação.

O HRHDS ressalta que a alta procura por leitos na instituição demanda uma organização entre diversos setores e processos para que os leitos possam ser bloqueados e paredes e teto consigam ser higienizados, visto que é necessário o uso de produtos químicos com forte odor, o que pode causar desconforto e sensibilidade.

Paciente foi transferida da área com mofo

Autora das fotos que viralizaram, Val, de 56 anos, conta que a mãe foi internada há cerca de 20 dias para um procedimento no coração. Depois de ficar internada na área mofada, hoje ela segue se recuperando em uma ala mais nova, no setor B do hospital — que não apresenta os mesmos problemas.

A moradora de Balneário Barra do Sul ressaltou que, além dos pacientes, existe a preocupação com os médicos, enfermeiros e demais funcionários que trabalham no local.

 ”Todas as pessoas têm direito à saúde de qualidade, não têm nenhuma condição de um paciente se restabelecer naquele ambiente cheio de sujeira e bolor. Me preocupo também com a equipe, médicos e enfermeiros, que precisam trabalhar num lugar tão insalubre, apesar da situação executam um excelente trabalho, minha mãe está recebendo todos os cuidados por parte desses profissionais”, contou em entrevista ao G1 SC.

Com informações do NSCTotal e G1 SC

Notícias Relacionadas

Centro de Triagem encerra atividades e atendimentos são absorvidos pelas UBSs em Criciúma

Sintomáticos e suspeitos de Covid-19 serão atendidos pelas unidades de saúde

Coorsel arrecada tampinhas em prol da causa animal de Tubarão

Arrecadação foi entregue para as voluntárias que atuam na proteção de animais abandonados ou vítimas de maus-tratos.

Atleta de Muaythai de Criciúma é convocado para mundial na Tailândia

Welinton Benvenutti Fernandes disputará a categoria Senior Elite até 71

Teatro Municipal Elias Angeloni recebe espetáculo “O Homem Mais Inteligente da História”

Peça será nessa sexta-feira (3)