Segurança

Fraude em criptomoedas Investigada pela PF prejudicou milhares de pessoas em R$ 100 milhões

Associação criminosa desenvolveu moeda digital e captou investidores oferecendo lucros acima do mercado, que não eram obtidos pelos clientes. Diligências ocorreram em SC e PR.

Foto: PF

Nesta terça-feira (27), a Polícia Federal (PF) deflagrou uma operação visando desmantelar uma associação criminosa acusada de aplicar golpes no sistema financeiro por meio de criptomoedas e Tokens Não-Fungíveis (NFTs). A investigação revela que aproximadamente 20 mil vítimas, tanto no Brasil quanto no exterior, foram lesadas em cerca de R$ 100 milhões.

Nomeada de Operação Fast, a ação tem como alvo um grupo sediado em Balneário Camboriú, no Litoral Norte de Santa Catarina, desde 2022. Os mandados estão sendo cumpridos também em Itajaí (SC), Curitiba (PR) e Londrina (PR), porém os nomes dos investigados não foram divulgados.

Segundo a PF, os golpes seguiam um padrão comum: oferecimento de uma criptomoeda desenvolvida pelo grupo, prometendo lucros acima do mercado por meio de parcerias com empresas. Para atrair investidores, a nova moeda foi anunciada durante uma feira de criptoativos em Dubai, buscando dar legitimidade ao negócio.

“Trata-se de um golpe. Essa criptomoeda existe, mas as pessoas não conseguem negociá-las. O banco digital prometeu cartões, prometeu operar com uma instituição financeira, porém nada disso funciona, as pessoas colocam o criptoativo dentro desse banco, elas não conseguem movimentar”, explicou o delegado Maurício Todeschini.

Após os investidores não receberem os lucros prometidos, diversas vítimas denunciaram o caso à Polícia Federal, que iniciou a investigação por meio do canal oficial para denúncias sobre esquemas de pirâmide financeira.

“Posteriormente, a organização também passou a atuar na comercialização de franquias de mobilidade urbana, o que continua sendo divulgado pelos integrantes”, acrescentou a PF.

Além dos mandados de prisão e busca, a operação incluiu medidas de sequestro e bloqueio de bens de cinco indivíduos e três empresas envolvidas.

“Os integrantes do grupo responderão pela prática de crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, associação criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas máximas totais previstas podem chegar a 28 anos de reclusão”, concluiu a PF.

Notícias Relacionadas

Chuva intensa em SC: Defesa Civil alerta para risco de alagamentos nos próximos 5 dias

A previsão de chuva forte e persistente nos próximos dias afeta principalmente as áreas litorâneas de Santa Catarina

Corredor Ecológico da Serra Geral pode afetar prática agrícola na região

Alerta foi feito pelo advogado e geógrafo Eduardo Bastos Moreira Lima.

Integrantes de organização criminosa são presos por mutilar brutalmente os dedos de uma mulher em Tubarão

A agressão, que foi filmada pelos criminosos, foi motivada por dívida de drogas.

Corpo de Bombeiros de Lauro Müller combate incêndio em caminhão

Havia outros caminhões próximos e, felizmente, colaboradores da empresa conseguiram controlar as chamas até a chegada dos profissionais